Pré-Natal nos EUA

consultamed

Por indicação de amigos daqui, optei em ter o meu bebe em um hospital próximo de onde moramos e com uma equipe médica com boa referencia. Minha obstetra foi um tiro no escuro, não a conhecia mas desde de a primeira consulta gostei dela, principalmente pelo fato de ela entender que o inglês não é a minha língua natural e ter paciência para me ouvir, tentar me entender e falar comigo de maneira simples, clara e sem pressa.

Por mais que eu já consiga entender bem quando os americanos conversam comigo, as vezes na hora de eu falar em inglês, principalmente  com alguém que eu não conheço muito bem, acabo ficando um pouco nervosa e cometo erros gramaticais ou dá aquele branco, onde eu esqueço todas as palavras que eu sei.

Mas vamos ao que interessa, como são as consultas de pré-natal aqui nos EUA?

Assim que cheguei na clínica, preenchi toda aquela papelada padrão na recepção onde tive que colocar todo o meu histórico de saúde e assinar (maridão e google translator do lado para dar um help com o inglês). Aguardei um pouco na recepção e logo fui chamada por uma enfermeira que me pesou, mediu minha estatura e a minha pressão arterial. Depois foi feito um exame de sangue completo e de urina. Em seguida conheci a minha obstetra que conversou muito comigo (em um inglês bem pausado e sem pressa) e para quem passei todas as informações sobre a minha primeira gestação, do parto e da minha saúde. Em seguida realizei o primeiro ultrasom na própria clinica e pude ver o meu bebe pela primeira vez. Foi um atendimento rápido e profissional.

Foi oferecido diversos testes sanguíneos para detectar a probabilidade de eu ter filhos com algum tipo de deficiência. Como o meu primeiro filho nasceu saudável e não tenho histórico familiar de síndromes, optei em não fazer, para não ficar pensando em doenças e síndromes durante a gravidez.

No segundo ultrasom (12 semanas de gestação) foi oferecido fazer testes adicionais para checar possíveis anormalidades no bebe. Perguntei para a médica o porque de fazer esses exames já que eu vou ter o meu filho de qualquer maneira sendo ele perfeito ou não. A médica disse que aqui nos EUA, se for detectado algum tipo de síndrome ou anomalia a mãe tem a opção de interromper a gravidez se for da vontade dela (o aborto é legalizado aqui nos EUA).

Depois de 2 semanas dessa última consulta, chegaram os famosos boletos médicos de cobrança em casa. Mesmo tendo um bom plano de saúde aqui, temos que pagar co-participacao (co-pay) em praticamente todos os exames e consultas.

No terceiro ultrasom (20 semanas) foi feito o Ultra-som morfológico. Foi quando eu senti uma grande diferença com o atendimento do Brasil. Foi feito o exame completo, tudo direitinho, mas a grande diferença é que, na minha primeira gestação, esse exame foi mais explicativo para mim como mãe pois o médico na ocasião, depois de seguir o protocolo e fazer todas as analises e medições necessárias do bebe, mudou o ultrasom para o 3D, onde pudemos ver o nosso filho com maiores detalhes, ver o rostinho dele, as mãozinhas e ouvir o coraçãozinho, enfim , o médico do Brasil fez uma “sessão” para deixar os futuros papais felizes e saímos da clinica com o DVD com as fotos e os videos do bebe para mostrar para toda a família!

Aqui eles são mais diretos ao assunto, sem muito “mela-mela” se vocês me entendem, e no final do ultrasom eu recebi uma imagem impressa em preto e branco do nosso bebe. No final desta consulta a médica me perguntou se eu queria fazer o teste para detectar Síndrome de Down no nosso bebe e eu também me recusei a fazer o teste (eu já amo o meu filho do jeito que ele é). Cabe lembrar que tive que assinar documentos oficializando que foi opção minha em não realizar estes exames. Nesta consulta também tomei a vacina da gripe, tinha a opção de não tomar, mas a médica me convenceu desta vez.

Depois de uma tempo fui me acostumando com o estilo das consultas por aqui ( no início as consultas são mensais). Em cada retorno é sempre o mesmo procedimento: Você chega na clínica, escreve o seu nome, horário em que chegou, hora da consulta e o nome do seu médico em uma ficha que fica no balcão da recepção e aguarda ser chamada (depois da primeira consulta não precisa mais apresentar a identidade com o cartão do seguro saúde).

Assim que a enfermeira te chama e ela verifica o seu peso, a  sua pressão arterial e solicita para você ir até o banheiro para fazer a coleta da urina (em toda consulta é realizado exame de urina). Então você volta para a sala da médica e espera ela chegar. Quando ela chega são feitas as perguntas padrões de como você está se sentindo e se você tem alguma pergunta. Se você realizou exames na consulta anterior ela te passa os resultados dos exames e pergunta se você tem alguma dúvida. Depois ela te examina propriamente dito, faz a medição da barriga, apalpa para sentir a posição do bebe e usa um aparelho para ouvir os batimentos cardíacos do bebe. As consultas são bem rápidas, a médica não fica mais do que quinze minutos com você.

Em novembro, como estivemos no Brasil para renovar os nossos vistos, aproveitei para fazer um ultrasom a moda Brasil com tudo o que tenho direito! Como ainda tenho o meu plano de saúde do Brasil passei por uma super consulta em super hospital com direito a ver o meu pequeno em 3D, 4D , ouvir coração, ver todos os detalhes de mãozinhas, boquinha e tirar todas as dúvidas com o médico em português!!!!

Assim que retornei para os EUA, mostrei os exames do Brasil para a minha médica daqui e ela me dispensou de um novo ultrasom,  o que me fez economizar $190 dólares!!! Porém só iria ver o meu neném novamente no final da gestação.

A partir do sétimo mês de gestação comecei a fazer um rodízio entre os médicos da clínica  isto é, em cada consulta de retorno eu passei a ser examinada por um médico diferente e as consultas passaram a ser quinzenais. Este rodízio tem a finalidade de você conhecer todos os profissionais da equipe  pois, na hora do parto, o médico que vai realizar o procedimento vai ser aquele que estiver de plantão na hora (na clínica em que eu vou são 6 obstetras).

A partir da 35 semana de gestação as consultas passaram a ser semanais. Foi realizado o exame para um tipo de bactéria chamado de Group B Strep (GBS), que não causa nenhum problema na mãe ou no bebe durante a gestação, porém se o resultado for positivo a mãe tem que tomar antibiótico 4 horas antes do parto para evitar passar infecção para o bebe.

Esta semana realizei a minha consulta de 36 semanas e tudo seguiu o mesmo protocolo que já descrevi acima. Passei com uma outra médica que não se conformou de eu ter feito cesariana no Brasil sem ao menos eu ter tentado o parto normal (ela perguntou quanto tempo eu fiquei em trabalho de parto antes de os médicos optarem em fazer a cesária e quando eu falei que a cesária foi agendada ela fez aquela cara de espanto). Aqui nos EUA, normalmente, não se faz cesariana (C-section) agendada. O procedimento cirúrgico só é indicado para casos em que a mãe ou o bebe tenha algum problema de saúde, onde o parto via vaginal pode colocar em risco a vida de ambos. A cesariana só realizada em último caso como uma cirurgia de emergência.

Nesta última semana também recebi as orientações de como proceder caso eu comece a sentir contrações e como saber qual é o momento de ir para o hospital.

Espero que tenham gostado do post!

No próximo post desta série vou falar como foi a  visita para conhecermos a Maternidade aqui nos EUA.

Abraços

Juliana

Atualização do post: o meu primeiro parto foi cesariana e ocorreu há 7 anos atrás. Na primeira consulta com a médica aqui nos EUA ela pediu para eu solicitar para o meu obstetra do Brasil uma carta explicando o tipo de incisão que havia sido feita e explicações de como foi o procedimento cirúrgico. Consegui a carta e como não houve nenhuma complicação e pelo tempo que a cirurgia havia sido feita, não havia nenhuma razão para eu não tentar o parto normal. Pode ser que em casos de uma cesariana recente seja indicado o agendamento de cesariana aqui também. Obrigada leitoras do blog por me lembrarem desse detalhe.

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog mas não copie e cole

Anúncios

12 ideias sobre “Pré-Natal nos EUA

  1. Bianca

    Juliana obrigada pelo post!!!! Muiiiiiito bacana!!! Queria saber a média de valor que vc paga pela co-participaçao das consultas e exames? Obrigada!!! Bianca

    Curtir

    Resposta
  2. Daniela

    Olá, tbem moro nos ESTADOA unidos na cidade de Saint Joseph -MI e tive meu segundo bebê em outubro de 2015.
    Está questão de não fazerem cesariana agendada não é regra…aqui por exemplo se você teve seu primeiro filho de cesária o segundo você fará cesária, caso resolva ter parto normal voce terá que ir para outra cidade. Eu tive cesariana agendada.
    Adoro ler seus post. Mas difere algumas coisas uma cidade para outra, mesmo sendo no mesmo estado. Bjs!

    Curtir

    Resposta
    1. Juliana Fontes Autor do post

      Verdade, varia bastante de cidade para cidade. Esqueci de colocar no Post que a minha cesaria foi há 7 anos, pode ser por isso que a médica falou que nada me impede do parto normal. Pode ser que pacientes com cesarianas mais recentes entrem nos requisitos para cesariana agendada.
      Que bom que gostou do blog! Continue deixando comentários!

      Abraços
      Juliana

      Curtir

      Resposta
  3. Rafael Fonseca

    Olá Juliana.
    Parabéns pela nova gravidez!! Como já conversamos anteriormente, minha esposa também está gravida, praticamente o mesmo tempo de gestação que o seu (36 semana) e eu estou participando de um processo de imigração para os EUA.
    Continue postando mais sobre a gravidez e outros assuntos, que nos ajuda muito a tirar dúvidas..

    Abraço..

    Curtir

    Resposta
  4. Pingback: O Parto – Gravidez nos EUA | Morar nos EUA

  5. Elaine

    Vc poderia informar em média os custos totais qie gastou no hospital apenas para o parto?
    Se não tiver plano americano por exemplo, nos hospitais públicos sabe como funciona ?

    Curtir

    Resposta
    1. Juliana Fontes Autor do post

      Oi Elaine,
      Aqui nos EUa nao existe hospital publico. Voce tem que ter plano de saude e se for cidadao americano e nao tiver condicoes de pagar um plano pode aplicar para o Obama Care, mas sempre sera atendido em Hospital particular. Nossos gastos com o parto ficaram em torno de 10 mil dolares, tendo plano de saude. Aqui voce tem que pagar o que seria a sua parte ate atigir o deductible do seu palno de saude, o que seria como se fosse a sua franquia.

      Abracos

      Juliana

      Curtir

      Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s