Arquivo da categoria: Morar nos Estados Unidos

O que perdemos quando deixamos o Brasil.

dsc01889

10 de novembro de 2013 – nossa despedida do Brasil

Em novembro deste ano irá completar 3 anos em que estamos morando aqui nos EUA.  Como o tempo passa rápido! Sei que ando meio sumida do blog, devendo posts novos e devendo respostas as perguntas de vocês, seguidores do blog, mas é que a vida de dona de casa aqui nos EUA com dois filhos, sendo que um deles é um bebe, sem uma diarista para ajudar na casa pelo menos uma vez por semana e sem as vovós por perto para dar um help com as crianças não é moleza não! Quem pensa que morar nos EUA é só glamour está completamente enganado.

Bom, mas vamos ao que interessa que é um post novo no blog!!

Depois de 3 anos, acho que já  é possível fazer um balanço realístico de como esta sendo esta experiência de morar fora do Brasil. O terceiro ano é um bom momento para avaliar, como é morar fora do seu país e longe da sua família, já que o deslumbramento dos primeiros anos já passou.

No primeiro ano tudo é novidade! A educação das pessoas, o preço  das coisas, o layout das cidades que faz você se sentir dentro de um filme americano da sessão da tarde, a segurança, as lojas, os restaurantes, a beleza do outono, a neve fofa e branquinha do inverno, até ver o termômetro marcar menos vinte graus célsius no inverno é empolgante! Novos amigos,  fazer aulas de inglês, se encantar com as escolas públicas e com a estrutura das bibliotecas, conhecer lugares novos. Claro que também tem os perrengues deste primeiro ano, mas faz parte do processo de adaptação. Sentimos muita falta da família, mas no primeiro ano tem muita coisa acontecendo, a gente conversa com a família do Brasil pelo Skype quase todo dia, então a saudade não dói muito ainda.

Depois de dois anos morando fora a vida já entrou na rotina. Escola, trabalho, coisas de casa para fazer. Suas visitas aos outlets se resumem a duas vezes ao ano, quando vem família ou amigos te visitar. Você já enjoou de restaurantes do tipo Olive Garden e não acha mais graça em ir no Shopping da sua cidade. Mas você agora conhece restaurantes mais legais, já descobriu aquele mercadinho árabe onde da para comprar algo parecido com requeijão, seu nível de inglês já melhorou e você se sente bem mais confortável para conversar com os americanos. Se locomove de carro para cima e para baixo sem precisar mais do GPS. Você descobre que não vai ser amigo de todo brasileiro que você conhecer. A conversa com a família pelo Skype já não é mais tão frequente, umas duas vezes por semana talvez, afinal todo mundo tem coisa para fazer e a vida das pessoas no Brasil seguiu em frente sem a sua presença. A saudade começa a apertar principalmente aos fins de semana .

Morar fora tem inúmeros pontos positivos como já relatei aqui no blog. Você sai da sua zona de conforto, vive novas experiências, aprende uma nova língua, uma nova cultura, conhece pessoas  novas, sua mente abre para o mundo e você muda como pessoa. Mas  no terceiro ano de vida no exterior, um novo item entrou com força na minha coluna dos pontos negativos: as Perdas.

Morar no exterior é se acostumar, se é que é possível, com as perdas constantes em sua vida. Perdemos o nascimento e os aniversários do sobrinhos. Perdemos os churrascos em família aos domingos. Perdemos o aniversário de 90 anos do meu avo.  Perdemos os Natais em família. Perdemos o encontro de turma do pessoal da faculdade. Perdemos o casamento de amigos queridos e de primos. Perdemos os amigos que fizemos aqui nos EUA pois chegou o momento deles retornarem para o Brasil. Perdemos a nossa presença naquela foto oficial da família. Meus filhos perdem diariamente o convívio com os avós e com os primos. Perdemos nossas avós maternas. Perdemos o último adeus.

Deixamos de fazer parte da vida das pessoas que ficaram no Brasil (mãe, pai e vovós não entram nessa lista). A vida seguiu para todo mundo, para os que partiram e para os que ficaram. E não venha com o argumento de que hoje em dia dá para participar desses momentos via Skype pois não funciona. Nas primeiras festas de aniversários você até tenta entrar ao vivo na festa, direto dos “states” via skype, mas depois você percebe que não funciona. A diferença de horário entre os países não ajuda, as crianças não tem paciência para ficar conversando através de uma telinha e nada substitui a presença física nesses momentos.

Tudo bem, tudo bem, eu sei que a situação do Brasil esta complicada, não tem emprego, não tem segurança, um monte de gente gostaria de trocar de lugar comigo mas para quem tem uma família muito querida é difícil ficar tanto tempo longe.  É difícil não estar presente para compartilhar os sorrisos dos  momentos de alegrias e  nem presente para dar consolo nos momentos de tristeza.

Não me arrependo em ter me mudado para os EUA, está sendo uma experiência única de vida e estamos felizes aqui. Ganhamos segurança, ganhamos liberdade, ganhamos cultura, ganhamos conhecimentos, ganhamos novos amigos mas as perdas estão ali do lado para não nos deixar esquecer que tudo tem os dois lados.

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog mas não copie e cole.

Posts que podem te interessar!

10 dicas que irão facilitar o seu dia-a-dia nos EUA

-Coisas dos EUA

-By By Brasil!

Anúncios

Como é Morar em Michigan

E hoje tem um pouquinho de como é morar aqui em Michigan na entrevista que dei para a Carol Mendes do blog www.descobriaamerica.com

“Michigan! Um estado com bastante história para a minha própria família (a parte americana dela, claro), e inclusive ainda temos diversos parentes por lá. Mas se tem uma brasileira que pode nos passar  informações super bacanas sobre o estado, e sobre Wixom (na região de Detroit), onde mora agora, ela é a Juliana Fontes, responsável pelo blog Morar nos EUA. Vamos à leitura? 🙂

IMG_1783

“Meu nome é Juliana, sou esposa do Léo e mãe do Theo e do Thomas! Era dentista no Brasil e aqui sou dona de casa e mãe 24 horas. Adoro mexer com fotos e fazer “scrapbook”. Também tenho um blog chamado Morar nos EUA. Estamos nos Estados Unidos desde novembro de 2013. No primeiro ano, moramos na cidade de Canton, no estado do Michigan, e depois nos mudamos para a cidade de Wixom, também em Michigan, onde já estamos há 2 anos. É uma cidade pequena, como a maioria das cidades de subúrbio, mas todas muito próximas umas das outras e com inúmeras opções de comércio e lazer. No Brasil morávamos no estado de de São Paulo.

Nos mudamos para os Estados Unidos porque apareceu uma oportunidade de trabalho aqui para o meu marido na área dele e, como sempre tivemos vontade de passar pela experiência de morar em outro país, resolvemos encarar esta aventura!

No Brasil eu era dentista especialista em Periodontia, formada há quase 15 anos e com meu próprio consultório. Não foi fácil abrir mão da minha carreira, pois sabia que aqui eu não poderia clinicar. Porém, não me arrependo; a experiência de vida é engrandecedora! Sou uma “stay-at-home mom” (mãe em tempo integral) feliz, mas tem horas que dá saudade de clinicar novamente.

Não tivemos muitos problemas com relação a adaptação à cultura daqui. Posso dizer que me adaptei mais rápido do que eu esperava. Claro que a língua é sempre uma barreira no início, mas isso nunca me impediu de me relacionar com as pessoas e explorar a nossa nova cidade. A presença de amigos brasileiros que já moravam aqui na região nos ajudou muito nessa adaptação. Além disso, o fato do meu filho frequentar a escola pública abriu uma oportunidade para eu ajudar como voluntária na escola dele, o que me ajudou a conhecer as mães americanas. Assim que chegamos aqui, tivemos que começar a vida novamente do zero e entender como o sistema funciona, mas depois dos três primeiros meses tudo entrou nos eixos e vida retomou sua rotina.

A maioria das pessoas que moram na nossa região são pessoas que trabalham na indústria automobilística. Por causa disso também tem muitos estrangeiros por aqui. Eu percebo que as pessoas são muito tranquilas e as famílias são bem grandes, com uma média de 3 a 4 filhos por casal. Os americanos são muito patriotas e adoram demonstrar o orgulho que tem pelo seu país, o que se pode ver pela quantidade de casas ostentando a bandeira dos Estados Unidos do lado de fora e pela participação ativa da população em datas comemorativas, como no feriado de 4 de julho. Me dou bem com os americanos; depois que te conhecem eles são pessoas bem receptivas. Mas cada um cuida da sua vida. Percebi que, desde a infância, os americanos aprendem a ser bem independentes. Ninguém te julga pela roupa que você veste ou pelo carro que você tem. Como qualquer país, aqui há alguns hábitos e costumes diferentes dos nossos brasileiros, mas essa é grande experiência de se morar em outro país: o contato com outras culturas e formas de pensar e olhar o Brasil e nós, brasileiros, por uma outra perspectiva.

Então os americanos são “na deles”; não são como a maioria dos brasileiros que já chega abraçando e beijando uma pessoa que acabou de conhecer e que em menos de meia hora de conversa já virou o seu melhor amigo de infância. Mas eles são muito, MUITO educados e adoram conversar com quem vem de outro país, principalmente do Brasil, que para eles é um destino exótico! E assim, aos pouquinhos eles vão se abrindo. Tenho amizade com duas americanas mães de amigos do meu filho, de frequentar a casa delas e elas a minha. Nossos maridos se tornaram amigos e sempre rola um churrasco aqui em casa ou um hambúrguer na casa deles! Tem que ter a mente aberta, sem preconceitos !

Agora sobre os pontos positivos e os pontos negativos de morar em Wixom, minha cidade atual:

  • Pontos positivos – Em primeiro lugar, a segurança. Mesmo estando a apenas meia hora de Detroit, que é considerada uma das cidades mais violentas dos Estados Unidos, nós nos sentimos muito seguros em Wixom. Poder entrar e sair de casa sem ter que procurar por algum “suspeito”, deixar o seu carro estacionado em qualquer lugar, sem medo de que ele possa ser roubado e ficar parada no semáforo com o vidro do carro totalmente aberto (no verão de Michigan claro!) para mim não tem preço. Em segundo lugar, é a presença de boas escolas. Meu filho adora a escola e já está fluente em inglês. Isso vai ser um diferencial no futuro dele. Além disso, a presença de muitas áreas verdes e inúmeros parques para recreação aos finais de semana. Uma outra coisa linda aqui de Michigan e que eu adoro é poder presenciar a mudança das estações do ano. Cada estação aqui é muito bem definida e tem a sua beleza particular. Mas a minha preferida é o outono! É lindo ver as folhas das árvores se tingindo de vermelho, laranja e amarelo! É uma paisagem que não temos no Brasil e acho que por isso me encanta tanto!
  • Pontos negativos – Os meses de inverno são os mais difíceis. No começo é legal, a neve é linda, brincamos na neve, fazemos “sledding” (tobogã na neve)… mas depois de dois meses de muito frio e neve, começa a baixar uma certa depressão. Um outro ponto negativo é falta de transporte público. Não existe linhas de ônibus, nem de trem, nem metro e táxi só o do aeroporto. Aqui você é obrigado a ter um carro.

Apenas complementando as informações sobre o clima em Wixom, em geral as estações são bem definidas no estado de Michigan. Temos um inverno bem gelado com muita neve, uma primavera chuvosa, um verão bem quente e úmido (aqui tem muitos lagos e muito verde!) e um outono lindo com temperaturas amenas.

Nos meses de primavera, verão e outono, as opções para relaxar nos finais de semana são ir aos parques, fazer pic-nic, andar de bicicleta, passear pela região norte do Estado. Durante o inverno acabamos ficando mais dentro de casa, mas gostamos de ir ao cinema, casa de amigos, praticar ice-skating. Quando a temperatura permite, gostamos de fazer “sledding” nos parques. Para quem gosta e sabe esquiar, tem algumas opções de estações de Ski no norte de Michigan.

A região em que moramos não é uma área turística. Dificilmente alguém do Brasil vai escolher Michigan como destino de férias nos Estados Unidos, ainda mais Wixom! A grande maioria das pessoas que vem para a região de Detroit é para negócios ou para participar de congressos, principalmente relacionados com a indústria automobilística. Mas Michigan tem várias boas surpresas! Existem diversos museus na região de Detroit, ainda não tive a oportunidade de ir, mas dizem que o Detroit Institute of Arts Museum é muito bom. Tem o Detroit Zooque fica em Royal Oak que é bem legal para passear com crianças. The Henry Ford é um museu que conta um pouco da história americana e da indústria automobilística. Passear no Riverfront em downtown Detroit e observar a cidade de Windsor, no Canadá ali do outro lado do Detroit River também é um ótimo passeio para os dias quentes de verão e, se você tiver visto canadense, é só cruzar a ponte que você já estará no Canadá. Tem também um museu a céu aberto chamado Greenfield Village que fica na cidade de Dearborn, bem próximo a Detroit, é um lugar muito legal, que reproduz uma vila americana do início do século dezenove, sempre tem atividades especiais em datas comemorativas e vale muito a pena a visita, um passeio para a família inteira! Durante os meses de verão, uma visita às praias da região norte de Michigan é passeio obrigatório. A região é muito verde, muito linda e a cor turquesa e a imensidão do lago Michigan no verão é uma surpresa indescritível! Se tiverem a oportunidade de ir para o norte de Michigan, não deixem de visitar as cidades de Traverse City,Sleeping Bear Dunes, Mackinac Island, Petroskey, Silver Lake Dunes. É muito comum, durante o verão, as famílias alugarem trailers e acamparem nos diversos parques da região norte. A Upper Peninsula de Michigan é linda também e tem lugares lindos e prais de lago inacreditáveis!

Quanto a ter contato com brasileiros, temos um grupo de amigos brasileiros, sim. Sempre que possível procuramos nos encontrar, mas não temos o hábito de frequentar encontros de brasileiros. Na nossa região há muitos brasileiros, portanto, diversos eventos da comunidade, mas não nos prendemos a isso. Temos a mente bem aberta e temos amizades com americanos também. Não nos fechamos em uma comunidade.

Já sobre mercados que vendam produtos brasileiros em Wixom, não temos. Tem um na cidade de Ann Arborchamado Tienda La Libertad, que na verdade é mexicano mas tem algumas coisas brasileiras. Brasileiro mesmo não tem!

A mesma coisa em relação  restaurantes: nenhum em Wixom! Tem a churrascaria Gaucho, em Northville, cujo dono e até alguns garçons são brasileiros. Também tem uma outra churrascaria em Detroit, a Texas de Brazil. O que tem aqui são brasileiras que cozinham comida caseira para fora como feijoada, moqueca, feijao e salgadinhos.

Quanto à saudade do Brasil, sentimos falta da nossa família! E das praias brasileiras.

Às vezes pensamos em voltar a residir no Brasil no futuro, por causa da saudade da família e para que os meninos possam conviver mais com os avós. Mas quando vemos a situação de violência e corrupção que se encontra o Brasil, a vontade passa.

Muitas pessoas sonham em vir morar aqui nos Estados Unidos. O meu conselho é que se você quer mesmo vir pra cá, corra atrás, estude inglês e se especialize. Tem que ser uma decisão muito bem pensada. Aqui é um país seguro, com ótimas escolas, ótimas opções de lazer, mas também tem que se trabalhar muito e o custo de vida não é barato. Algumas pessoas se iludem achando que nos Estados Unidos tudo é mais barato que no Brasil, mas não é bem assim. Comprar um carro ou fazer compras nos outlets pode até ser mais barato que no Brasil, mas pagar aluguel de casa, arcar com um plano de saúde, contas de água, luz e gás pesam bastante no orçamento no final do mês, então tudo tem que ser levado em consideração. É uma mudança de vida muito grande, as culturas são diferentes e você sempre será um estrangeiro aqui.”

Juliana Fontes

A entrevista acima foi dada com exclusividade para o blog descobriaamerica, é proibido qualquer tipo de reprodução da mesma.

Abraços!

Juliana

Michigan Fireworks

Windsor-Detroit-International-Freedom-Festival

Detroit Fireworks (image: google)

Por volta do dia 20 de Junho deu início as comemorações de 4 de Julho aqui em Michigan (Indepence Day). Com o começo do verão por aqui, os principais eventos comemorativos são  as queimas de fogos em diversos lagos e parques das cidades. Não sei se nos outros estados americanos também é assim, mas aqui em Michigan entre o final do mês de Junho até o  dia 4 de julho tem queima de fogos quase todos os dias em diferentes lugares, tem até um cronograma com as datas e os locais para quem quiser acompanhar as queimas de fogos por com site e tudo!

Fireworks Displays in Michigan

Ontem (28/6) aconteceu a principal queima de fogos na cidade de Detroit as margens do Detroit River. Nunca fui lá ver pessoalmente a esta queima de fogos mas pelos vídeos que assisti na internet foi muito bonito!

Detroit Fireworks video

É  super comum ver tendas enormes nos estacionamentos das lojas vendendo tudo o que é tipo de fogos de artificio, é a sensação do momento por aqui. Tem até lojas enormes especializas na venda de fogos de artifício como a Phantom fireworks

Evanston_7

Phantom fireworks store

Fireworks-Stand-2014-at-Walmart-Supercenter-in-Wimauma-FL-e1404922289972

Venda de fogos de artificio no estacionamento do mercado

Como já falei em outro post, o ano novo aqui em Michigan é muito sem graça, pois é inverno aqui, está frio e com neve, então ninguém vai lá fora soltar fogos, fica todo mundo dentro de casa ou em festas em recintos fechados. Então estas comemorações do 4 de Julho acabam lembrando muito as nossas comemorações de final de ano do Brasil. Claro que não dá para comparar com a queima de fogos do Rio de Janeiro (aqui eles soltam os fogos um por um, vamos assim dizer e só no final tem aquela explosão de fogos ao mesmo tempo), mas é bonito de assistir e as crianças adoram claro!

Abraços!

Juliana

O Parto – Gravidez nos EUA

Foi Cesariana. Não foi dessa vez que passei pela experiência de ter um parto normal. Por razões médicas tive que fazer uma “C-Section” nove dias antes da minha “Due Date” como  chamam a data prevista do parto nos EUA (o que corresponde a 40 semanas de gestação). Mas o que realmente importa é que a cirurgia foi tranquila e o nosso bebe nasceu super saudável!

A minha C-section não estava agendada, então assim que eu sai do consultório da minha médica, depois de uma consulta de pré-natal de rotina, ela já notificou o Hospital que eu iria dar entrada na parte da tarde.

A Chegada no Hospital

Assim que chegamos no hospital demos entrada na parte burocrática que foi preencher e assinar alguns papeis, apresentar documento de identificação (driver license) e o cartão do plano de saúde. Sai da recepção já com uma pulseira de identificação no meu braço e fui encaminhada, junto com o meu esposo, para o nosso quarto no hospital. Uma funcionária do hospital nos acompanhou até o quarto.

O quarto era igualzinho ao que vimos durante a visita no hospital. Logo depois de dominarmos o quarto com nossas coisas como mala da mamãe, do bebe e do papai (que mais tarde descobri que não usaria praticamente nada do que eu levei) a enfermeira responsável se apresentou e conferiu toda a minha ficha clinica que a minha médica já havia encaminhado para o hospital. Depois a médica que iria fazer o meu parto venho conversar comigo. Não foi a minha médica oficial do pré-natal e sim uma das médicas da clínica com quem eu já havia passado durante o “rodízio” de médicos durante as consultas de pré-natal, pois era ela quem estava de plantão no dia.

IMG_6884

Nosso quarto no hospital

Fiquei no quarto aproximadamente por cinco horas aguardando o momento do meu parto (eu e o bebe sendo monitorados durante todo esse tempo). Durante esse período fui medicada, apresentada para as outras enfermeiras, respondi a um questionário enorme pois optamos em doar o sangue do cordão umbilical do bebe para pesquisas com células tronco e aquelas coisas básicas de hospital. O anestesista venho se apresentar e fazer algumas perguntas e explicar o procedimento da eperidural antes de eu ser levada para o centro cirúrgico.

O Parto

Durante o parto, toda a equipe de dentro do centro cirúrgico foi ótima e atenciosa. A todo momento o auxiliar do anestesista ficou ao meu lado perguntando como eu estava me sentindo. O meu marido entrou no centro cirúrgico para assistir ao parto depois que eu já estava anestesiada. A cirurgia foi super rápida e o nosso bebe nasceu chorando a pleno pulmões!!

Assim que ele nasceu, a pediatra que estava presente no centro cirúrgico, realizou os primeiros cuidados com o bebe, logo em seguida ele foi entregue para o meu marido que ficou com ele nos braços ao meu lado. Diferente do Brasil o bebe não foi colocado sobre o meu peito logo após o nascimento.

Um fato que achei interessante foi que os instrumentistas cirúrgicos contaram todos os instrumentos cirúrgicos e o número de gazes que iriam ser usadas durante a cirurgia em voz alta antes da cirurgia começar, e assim que terminou o parto eles recontaram tudo novamente em voz alta (inclusive as gazes).

Outra coisa diferente foi que antes da cirurgia começar a médica pediu para eu responder algumas perguntas como qual era o meu nome completo, o porque que eu estava deitada naquela mesa cirúrgica e que tipo de cirurgia seria realizada em mim. Eu ali nervosa e ansiosa e meu cérebro tendo que processar e responder as perguntas em inglês, não gostei desse interrogatório bem ali na hora do parto.

Assim que a cirurgia terminou fui direto para o meu quarto. Meu marido na frente empurrando o bercinho com o bebe e eu atrás.  No Brasil eu fiquei duas horas sozinha em uma sala de recuperação antes de ir para o quarto e o bebe ficou no berçário durante todo esse tempo.

Quando entramos no quarto, os avós e o irmão mais velho já estavam lá ansiosos para conhecer o novo membro da família!

A estadia no Hospital

 Durante a minha estadia no hospital, que foi de 3 dias, o bebe ficou ao meu lado no quarto. Ele foi levado do quarto apenas três vezes: para fazer o teste de audição, o teste similar ao do pezinho que é feito no Brasil e no último dia o teste no bebe conforto (car seat), onde colocaram o bebe no car seat que vamos usar no carro e lá ele ficou por aproximadamente uma hora tendo os sinais vitais e respiração controlados para ver se o nosso bebe conforto era seguro para ele.

Outra coisa diferente do Brasil é que aqui o lema americano DIY (Do It Yourself) ocorre no hospital também. Durante toda a minha estadia no hospital foi o meu marido que fez as trocas de fraldas do bebe. As enfermeiras só trocavam a fralda dele quando vinham examiná-lo. Logo que chegamos no quarto a enfermeira já nos mostrou onde ficavam as fraldas, trocas de roupas e lencinhos para os cuidados com o bebe. E também deixou todos os itens de higiene para o meu uso no banheiro, incluindo uma cinta pós-parto. Lembro que no Brasil as enfermeiras me ajudaram bastante neste quesito “cuidados com a mamãe”. Também tinha que preencher uma tabela com a hora em que o bebe mamou, o tempo em que ele ficou mamando e de qual lado, além de ter que anotar as vezes em que ele fez xixi ou coco.

IMG_6883

Cantinho do bebe dentro do nosso quarto

Outra coisa diferente foi o “banho” do bebe. Aqui eles deram um “banho” no bebe com toalhinhas umedecidas no segundo dia pós-parto. Um dos motivos é não molhar a região do umbigo para ele secar mais rápido. Eles não passam nada no umbigo, nem álcool 70 como me aconselharam passar no Brasil (o que fez sentido pois o umbigo caiu no 5 dia após nascimento, o do Theo demorou mais).

Tanto eu como o bebe éramos examinados várias vezes durante o dia. Perdi a conta de quantas vezes a minha temperatura e a pressão arterial foram  aferidas. Toda medicação administrada em mim ou no bebe tinha o código de barras escaneado e as nossas pulseiras de identificação também eram escaneadas antes do inicio de qualquer exame e tudo ia direto para o computador ou para o tablet da enfermeira. Também recebia medicação para dor de 6 em 6 horas e já sai do hospital com os meus remédios na bolsa para os próximos dias, o que evitou uma parada desnecessária na farmácia na saída do hospital.

Os cuidados da equipe médica

A atenção da equipe médica comigo e com o nosso bebe foi nota dez! Enfermeiras gentis e atenciosas. A única reclamação que fizemos foi com relação a pediatra que fez o exame do bebe no segundo dia. Achamos que ela não o examinou direito e ficou toda nervosa quando ele regurgitou nela (ela venho examina-lo na hora em que ele estava mamando). Reclamamos com a minha médica sobre o atendimento da pediatra e um pouco depois a enfermeira chefe venho ao nosso quarto pedir desculpas e disse que providencias seriam tomadas. No dia seguinte outra pediatra venho examiná-lo e ai sim foi feito um exame cuidadoso e minucioso no nosso bebe.

Também recebi duas vezes a visita no quarto de uma consultora em amamentação que me orientou e ficou ali do meu lado, na prática, me ensinando a maneira correta de amamentar  o bebe (tem coisas que a gente esquece depois de 7 anos).

Aqui ele tomou apenas a primeira dose da vacina para Hepatite B no hospital. Aqui não é dada a BCG, aquela que deixa a “marquinha” no braço.

Um fato curioso é que toda hora que uma pediatra ou enfermeira diferente vinham examinar o bebe, sempre me perguntavam se eu havia optado em fazer a circuncisão nele, até a consultora de amamentação perguntou. Falei que no Brasil esse procedimento não era comum (exceto por razões religiosas) e elas me disseram que aqui nos EUA é comum fazer a circuncisão nos bebes, que é tipo uma “tradição” de família onde se o pai foi circuncidado o filho provavelmente irá ser também. Mais uma diferença cultural entre os países.

Segurança

Tanto eu como o bebe recebemos uma pulseira com um chip. Caso o bebe se aproximasse de outra mãe (isto é, com um chip diferente) o chip iria disparar um alarme. Se por algum motivo o bebe saísse da área de controle da maternidade um alarme seria disparado, os elevadores do andar da maternidade iriam parar e a segurança do hospital seria acionada.

Alimentação no Hospital

No hospital em que eu fiquei as enfermeiras não eram responsáveis em trazer refeições para mim. Se eu tivesse fome eu era responsável pela minha alimentação. Tinha um frigobar no quarto para eu armazenar as comidinhas que eu trouxe de casa como iogurte e suco e tinha um cardápio do restaurante do hospital para eu solicitar refeição no quarto caso eu quisesse. Tinha uma pequena copa no corredor dos quartos com máquina de café, de refrigerante, microondas para esquentar comida  e alguns snacks para a gente se servir (no caso o papai).

Mala do bebe?

Durante toda a estada no hospital (3 dias) O nosso bebe ficou o tempo inteiro com uma roupinha que foi fornecida pelo hospital. Ele ficava de fralda, uma camisetinha tipo pagão e era colocado dentro de um saquinho bem quentinho. Ele só usou a roupinha que eu levei para o hospital na hora de vir para casa. Eu também fiquei os dois primeiros dias com a camisola fornecida pelo hospital, apenas na última noite coloquei a que eu trouxe de casa. Resumindo: não precisa levar praticamente nada para o hospital para se ter um bebe por aqui. É tudo muito simples e prático.

Visitas no Hospital

O nascimento de um bebe aqui é um momento muito íntimo da família e reservado para as pessoas bem próximas dos pais do bebe. A sala de visitas da maternidade ficava praticamente vazia o tempo todo. No quarto, apenas as pessoas mais próximas como papai, e avós do bebe. O movimento nos corredores dos quartos era bem pequeno, diferente de quanto eu tive meu primeiro filho no Brasil onde os corredores da maternidade São Luiz pareciam uma festa! Aqui também não tem enfeite na porta do quarto da maternidade com o nome do bebe.

Zica Virus

Estivemos no Brasil no final do ano de 2015. Minha médica do pré-natal me liberou para a viagem desde que tomasse cuidados necessários e além disso a fama do Zica vírus ainda não havia chegado aqui nos EUA. Quando a médica que fez o meu parto (que como falei não foi a minha médica) viu no meu prontuário que eu havia estado no Brasil ela entrou no quarto assustada e quis saber detalhes sobre a minha estada no Brasil, se eu tinha tido sinais de gripe e coisa e tal, mas depois que explicamos toda situação ela se acalmou. Brinquei com o meu marido que mais um pouco eles iam colocar aquelas fitas amarelas de isolamento no nosso quarto rsrsrsrs.

Conclusão

Os meus dois partos foram lindos. Foram um pouco diferentes mas não posso dizer se aqui foi melhor que no Brasil ou vice-versa. Gostei do esquema mais intimista do parto aqui mas ao mesmo tempo senti falta de uma “festinha” a mais no quarto com a presença da família que infelizmente estava no Brasil neste momento tão especial.

Agora é só esperar chegar a conta do hospital ….aí  que medo! rsrsrsr …. o que será assunto para um outro post.

Visita ao Hospital

Pré-natal nos EUA

Grávida nos EUA

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar mas não copie e cole.

10 dicas que irão facilitar o seu dia-a-dia nos EUA

O grande dia chegou! Você vai morar nos EUA!! Para te ajudar separei 10 dicas que podem ser úteis no seu dia-a-dia por aqui:

1- CONTINUE ESTUDANDO INGLES

Por mais que você ache que o seu nível de inglês é muito bom, se você nunca morou em outro país de língua inglesa, assim que você chegar aqui você vai perceber que o seu inglês é horrível e que entender os americanos falando é mais difícil do que você imaginava! Não se sinta intimidado, isto é normal, com o passar dos meses o seu ouvido vai se acostumando com o inglês no dia-a-dia, mas não se esqueça de fazer a sua parte também e estudar a língua inglesa pois você não vai melhorar o seu inglês se não se esforçar a falar em inglês. Além do mais é uma questão de educação e consideração você aprender a falar a língua do pais que você escolheu para morar. Os americanos não têm a obrigação de entender o que você está falando (afinal é você quem está no país deles) e sim você é que tem que se esforçar para melhorar o seu inglês dia após dia e entender o que eles estão falando.

Uma dica que eu dou e que funciona comigo é que sempre que alguém falar com você e você não entender, seja humilde, ponha um sorriso no rosto e diga que não entendeu, que acabou de chegar do Brasil (eles adoram cruzar com brasileiros) e que está aprendendo a falar inglês, e que se ele pode repetir a pergunta mais devagar.

2- EXPLORE O SEU BAIRRO/CIDADE

Conheça a região em que você vai morar. Entre nas lojas, nos supermercados mesmo que não vá comprar nada. Descubra onde fica a agencia dos correios (Post Office), a Secretary of State (local onde se resolvem coisas burocráticas como carteira de motorista, documentos de veículos, etc), onde é a prefeitura (City Office), a Biblioteca (library), Hospital mais próximo, a agencia bancária e tudo mais que tiver na sua região.

3- BEM VINDO AO PAÍS DO FAÇA VOCE MESMO – DIY (DO IT YOURSELF)

– Na hora de abastecer: Aqui é você quem abastece o seu carro. Uma dica é estacionar o carro com o lado onde está a abertura do tanque de combustível voltado e próximo da bomba de combustível pois as mangueiras aqui são curtas. Se for pagar com dinheiro (espécie) você estaciona o carro em frente a bomba, verifica qual o número da bomba, vai até o interior da loja de conveniência e paga o valor que você deseja colocar no carro. Se for pagar com cartão é só seguir as orientações que aparece no visor da bomba de combustível, selecionar o tipo de combustível e abastecer. Algumas bombas solicitam para você colocar o ZIP code da região em que você mora. Não se esqueça de fechar o tanque depois de abastecer.

1531721012738125198

imagem: google

– Self-Checkout nos supermercados: A quantidade de caixas onde é você mesmo quem passa as suas compras no leitor de código de barras, paga e empacota tudo sozinho é bem maior do que os caixas com atendentes. Eu particularmente prefiro os self-checkouts pois normalmente não tem fila. Para o caso de frutas e legumes que não tenham código de barras, é só colocar o produto na balança que estará na sua frente e digitar o número que está em uma etiqueta no produto (exemplo: PLU 1047), se for necessário a máquina vai pedir para voce digitar a quantidade. Só utilizo o caixa tradicional quando faço compras maiores no supermercado. Quando você passar as suas compras no caixa que tem atendente, normalmente é ele (a) quem empacota as suas compras. No final da compra, se você fizer o pagamento com cartão de débito terá a opção de “Cashback“, isto é, você pode sacar dinheiro em espécie ali mesmo no caixa do supermercado, o que facilita a vida pois você não precisa ficar indo em banco ou procurar caixa eletrônico para sacar dinheiro.

o

imagem:google

– Lavar o carro: Os lava-rápido aqui são super práticos! Você para em frente a um aspirador gigante e aspira a sujeira você mesmo e joga o lixo que se acumulou durante a semana no latão que fica do lado do aspirador. Depois segue em frente com o carro e coloca o dinheiro da lavagem na máquina ou entrega para um atendente que fica na entrada do “túnel” de lavagem propriamente dito. Coloca o carro no ponto Neutro e um trilho vai puxando o seu carro para o interior do túnel onde a lavagem é realizada pela máquina. Fique atento na saída do túnel para sair rapidinho com o carro, principalmente se tiver outro carro vindo atrás de você. Se tiver um outro atendente na saída do túnel com um paninho oferecendo para secar o seu carro e você concordar não se esqueça de dar uma caixinha para ele  (normalmente eles pedem $1,00). O valor da lavagem simples por aqui varia de $3,50 a $5,00 dólares.

– Limpeza da casa: Serviço de diarista ou empregada doméstica são caros por aqui. Normalmente ninguém tem empregada, somos nós mesmos que cuidamos da nossa casa e roupas. A secadora ajuda a não ter que passar as roupas do dia-a-dia (se você dobrar ou pendurar as roupas ainda quentes assim que saírem da secadora, não precisa passar). Aqui em casa camisetas e moletons vão direto da secadora para o guarda-roupa. Passo as camisas sociais, mas se não souber passar tem a opção das lavanderias que cobram em média $1,50 dólares para passar camisas. A lava-louça também ajuda bastante na cozinha.

images

imagen:google

Handman: Se você gosta e sabe  fazer pequenos consertos em casa ou tem um marido ou esposa que gosta, você irá economizar um bom dinheiro por aqui, pois a mão de obra referente a serviços aqui é cara! Saber trocar chuveiro, lâmpada, instalar uma geladeira, máquina de lavar, montar um armário entre outras coisas vai te ajudar muito por aqui.

Dica: hoje em dia com o YouTube tem vídeos que te ensinam a fazer de tudo! E em lojas como Menards, HomeDepot e Lowes você encontra tudo o que precisa.

4- NÂO ESQUECA DAS GORJETAS

728px-Tip-Your-Server-at-a-Restaurant-Step-5

imagem: google

Sempre que for a algum restaurante tem que dar gorjeta (TIP) para o garçom. No mínimo 15% do valor da conta. Se ele foi simpático e te atendeu super bem o ideal é dar 20%. Lembre-se de que a gorjeta é referente ao serviço do garçom. Se a comida estava ruim, você tem que reclamar da a comida e não descontar da tip do garçom. Neste caso o restaurante vai trocar o seu prato, ou te dar um desconto no valor da conta ou uma sobremesa de graça, alguma coisa eles vão fazer para te agradar e não perder o cliente claro. Oferecer menos de 15% de gorjeta para o garçom significa que ele te atendeu muito mal.

Lembre-se de que eles vão trazer a conta sem você pedir, não é falta de educação ou  não significa que ele está te expulsando do restaurante, é apenas a cultura deles.

5- PONTUALIDADE

Americano é pontual. Esse negócio de combinar de jantar as 7 da noite e aparecer quase oito horas não existe por aqui, é uma tremenda falta de consideração com a pessoa que está te esperando. Isso serve para tudo: negócios, jantares, festa de aniversário, playdates para quem tem filhos.

6- CONSUMIDOR AQUI É REI!

1492679126748311955

imagem: google

Uma das coisas que eu acho mais fantástica por aqui é a facilidade de trocar e retornar produtos nas lojas! Comprou uma coisa e venho com defeito, ou simplesmente usou e não gostou? Pode devolver na loja sem maiores burocracias. Na grande maioria das vezes você nem precisa trocar por outro produto, eles te devolvem o valor da mercadoria em dinheiro ou extornam no seu cartão de crédito. Importante ter sempre a nota fiscal de compra e trazer o produto com a etiqueta de compra no caso de roupas ou na embalagem original (ela pode ter sido aberta sem problemas, mas é bom não estar rasgada, amassada …). Você pode trocar e devolver tudo, desde de roupas a produtos eletrônicos, já vi gente devolvendo até comida em supermercado!!

Outra dica legal é que a grande maioria das lojas cobrem o preço do Amazon! Então sempre que for comprar alguma coisa, principalmente produtos mais caros como eletrônicos, antes de passar no caixa entra no site do Amazon e verifica o valor, se estiver mais barato é só mostrar o celular com o preço do produto no Amazon para o caixa que ele faz o mesmo valor para você! Já utilizamos dessa estratégia (que aqui eles chamam de Price-match) em lojas como Best Buy, BuyBuyBaby e Toy R US.

E não se esqueçam de usar os cupons de descontos!!

Faça o cartão de Rewards da lojas e farmácias, isso te ajuda a ganhar descontos,  acumular pontos e economizar!!

7- HOSPITAL SÓ SE FOR REALMENTE NECESSÁRIO

Como já falei em posts anteriores aqui no blog (Planos de saúde nos EUA), a saúde aqui nos EUA é cara! Mesmo tendo plano de saúde você terá que pagar co-participações em atendimentos e exames, então a dica que eu dou é evitar ir a hospitais por causa de coisas simples como uma gripe, uma dor de garganta fraquinha, dor de barriga ou unha encravada. Claro que se os sintomas persistirem você deve procurar um médico, principalmente se você tiver criança em casa, mas faça uso do bom senso. Existem planos de saúde que tem médico via telefone, isto é você liga, descreve os seus sintomas e conforme for ele te passa as orientações do que fazer.  Caso seja necessário ir a um médico agende uma consulta com o seu médico de família (não apareça na clínica sem agendar pois será considerado atendimento de emergência). Se for uma situação mais séria e você não conseguir um horário para o mesmo dia com o seu médico ou é fim de semana e a clínica está fechada, procure um Urgent Care Center. Só se dirija a um Emergence Room em um Hospital se for um caso muito sério mesmo como suspeita de infarto, AVC… Se bem que nestes casos o ideal é ligar para o 911 pois em minutos a ambulância e os bombeiros estarão na porta da sua casa!

8- A TERRA DA MARMITA

vacuum-stainless-steel-food-storage-box-for-kids-w-insulated-lunch-bag-thermos-for-food-container-thermal-lunch-box-food-jar_1571784

imagem: google

Se você vai trabalhar fora  e quiser manter uma alimentação saudável e fugir dos fast-foods, a marmita vai fazer parte do seu dia-a-dia. A grande maioria das empresas daqui não tem refeitórios, principalmente pelo fato de que o americano não tem o hábito de almoçar “comida de verdade” como nós brasileiros. Se você mora fora de uma grande cidade como New York, Los Angeles ou Chicago, ir almoçar na praça de alimentação do shopping ou no “quilão” da esquina não será uma opção para você, vai ter que levar comida de casa sim!

Nas lojas como Marshalls e HomeGoods e até mesmo nos supermercados você vai encontrar vários opções bem bacanas de “lancheiras térmicas” para adultos para você levar para o trabalho. Normalmente nas empresas tem uma pequena copa com microondas, pratos e talheres para você utilizar na hora do almoço.

A mesma coisa vale para quem tem filhos. Como eles ficam o dia todo na escola eles almoçam por lá. Os pais tem a opção de comprar o “almoço” da escola, mas se você não quer que o seu filho se entupa de nuggets, pizza, tacos e macarrão com queijo diariamente, ele vai ter que levar comida de casa também!

9- ABRA A SUA MENTE E O SEU CORAÇÃO PARA UMA NOVA CULTURA

Aqui não é o Brasil, é outro pais, outra cultura, outra língua, pessoas que foram criadas e cresceram de uma maneira diferente de você, então tudo vai ser diferente e você vai ter que se adaptar a essas diferenças para que a sua vida flua de uma maneira mais fácil. Isso não quer dizer que você tem que esquecer suas raízes e as coisas que você gosta do Brasil, mas você não pode ficar fazendo drama por não achar o corte de carne que você costumava comprar no açougue do Brasil ou porque é difícil achar pão-de-queijo por aqui ou ainda porque aqui não vai passar a final do campeonato brasileiro de futebol na televisão!

10- NÃO EVITE OS AMERICANOS !

Americanos são bacanas!! Eles são na deles, não são como a maioria dos brasileiros que já chega abraçando e beijando uma pessoa que acabou de conhecer e que em menos de meia hora de conversa já virou o seu melhor amigo de infância, mas eles são muito, MUITO educados e adoram conversar com quem venho de outro país, principalmente do Brasil que para eles é um destino exótico! E assim, aos pouquinhos eles vão se abrindo. E se você tem filhos na escola, ou se eles praticam algum esporte, essa vai ser uma grande oportunidade de fazer amizades com as mães e os pais dos colegas dos seus filhos! E ter um amigo americano vai te ajudar com dicas que só quem nasceu e cresceu aqui podem dar!

Faça a sua parte, seja receptivo e se esforce para conhece-los! Você nunca vai fazer amizade com um americano se na primeira tentativa dele em conversar,  você soltar um “I don’t speak English”, virar as costas e ir embora.

Claro que existem exceções, assim como no Brasil,  onde podemos conhecer pessoas bem legais e outras insuportáveis. Não venha com o pré-conceito de que os americanos são arrogantes e se acham os donos do mundo, é mentira! A maioria das pessoas que falam isso nunca sequer colocaram os pés aqui nos EUA.

Gostou do post? Clique na estrelinha abaixo em Curtir! Já visitou a nossa página no facebook e no Instagram? Ajude a divulgar o blog entre os  seus amigos!!

Posts relacionados:

Aos recém-chegados nos EUA

Cheguei nos EUA- Primeiras Providencias

Convivendo com os americanos

Abraços!

Juliana

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog mas não copie e cole

“Loteria” do H1b VISA

No último ano muito se falou sobre a Loteria para o visto H1B isto é, mesmo tendo uma empresa como seu sponsor aqui  nos EUA, isto não será garantia de que voce será selecionado para receber o visto H1b.  Além de ter um currículo profissional muito bom, voce vai ter que contar com a sorte.

Não sei explicar com certeza como funciona todo esse processo (quando a nossa aplicação foi feita para o H1b em Abril de 2013, não teve essa “loteria”) estou pesquisando na internet para entender melhor o assunto e ai sim, escrever um post detalhado sobre o tema aqui no blog, mas vou deixar abaixo alguns links para sites que podem te ajudar a esclarecer algumas dúvidas sobre a temida “loteria”.

USCIS

H1B VISA Lottery Process

US Immigration News

Leia também: Visto H1b

Até mais!

Juliana

 

Adaptação das Crianças `as Escolas Americanas

Quando uma família se muda para um outro país com filhos pequenos, a adaptação das crianças ao ambiente escolar é com certeza uma das maiores preocupações dos pais.

Perguntas como “Será que o meu filho (a) vai se adaptar?”, “Mas ele não fala nada de inglês, como vai ser na escola?”, Será que ele vai fazer amigos?”, “Vai sofrer preconceito na escola por ser estrangeiro?” estão entre as principais perguntas que recebo dos pais aqui no blog.

Vou falar aqui no post da minha experiência com o meu filho que na época tinha acabado de completar cinco anos e não falava nada em inglês quando chegamos aqui nos EUA. Claro que cada criança é única e o tempo de adaptação pode variar de criança para criança e principalmente com qual idade ela chega aqui nos EUA.

A adaptação do Theo aqui nos EUA me surpreendeu muito pois foi muito rápida para quem não falava nada de inglês. Eu estava muito ansiosa na época e preocupada pois foi uma mudança de rotina muito grande na vida dele. Mudamos para uma casa nova em um outro país, uma escola completamente nova, nova professora, novos amigos e principalmente uma nova língua. Se já é complicado mudar o seu filho de escola dentro do seu próprio país pois é difícil deixar os amiguinhos antigos, com os quais a criança já tem um vínculo de afeto, imaginem fazer novos amigos em uma escola nova quando a criança não fala o mesmo idioma dos colegas de classe? Comunicação é a base da rotina escolar.

O primeiro dia de aula do Theo aqui nos EUA foi um dia muito especial para nós e principalmente me mostrou que eu tenho um pequeno grande valente aqui em casa. O detalhe desse primeiro dia pode ser conferido clicando no post abaixo.

O primeiro dia de aula do Theo nos EUA

O Theo se adaptou muito rápido a escola mesmo sem falar inglês e eu acho que o grande sucesso deste desafio, além da própria coragem dele e do nosso incentivo positivo como pais, foi o suporte que ele teve por parte da escola aqui nos EUA.

IMG_1662

Cantinho da leitura dentro de sala de aula. Muitos livros, fora os que tem na biblioteca da escola.

Como os EUA recebem muitos estrangeiros de toda parte do mundo, as escolas públicas daqui estão acostumadas a receber estas crianças e possuem uma equipe de professores e um método de ensino especialmente voltado para elas que é o programa ESL (English Second Language) ou ELLs (English Language Learnings).

Quando você vai matricular o seu filho em uma escola aqui nos EUA, dentre os documentos necessários, tem um questionário onde você tem que preencher a nacionalidade da criança e o idioma falado em casa. Com base nestas informações o próprio sistema escolar já vai indicar se o seu filho está apto ao programa ESL/ELLs.

Praticamente todas as crianças e adolescentes estrangeiros matriculados em escolas públicas americanas entram neste programa no qual elas tem um suporte dentro de sala de aula que irá ajudá-los com o aprendizado da língua inglesa. A criança passa por avaliações semestrais e ela só sairá do programa quando o professor perceber que ela é capaz de acompanhar a sua turma sem dificuldades. Este programa é totalmente gratuíto.

wida

Tabela utilizada para avaliar o nível de inglês dos alunos

Esse programa é inserido na rotina escolar de diversas maneiras dependendo do distrito escolar que a criança frequenta. No caso do Theo nos primeiros dias ficava uma professora com ele em sala de aula dando suporte (ele entrou no Kindergarden o que seria o último ano da educação infantil no Brasil). Depois ele ficava em sala de aula com a professora da turma dele e em algum período do dia escolar a professora do ESL ia até a sala de aula buscá-lo para fazer as atividades do ESL em uma sala separada.

Tem distritos escolares que possuem escolas específicas para as crianças estrangeiras que não falam a língua inglesa. Depois que a criança passa a dominar e a compreender o idioma ela vai para a sua escola regular do bairro.

Os pais recebem este relatório do WIDA sempre que as crianças passam pela avaliação:

wida Theo

Último relatório do WIDA do Theo que o liberou do ESL!

 

Link do  WIDA Federal Program (alguns Estados não estão no programa WIDA, neste caso é só entrar no distrito escolar da cidade em que voce irá morar e procurar informações sobre o programa ESL/ELLs utilizado).

A maioria das escolas aqui dos EUA, pelo o que eu leio a respeito e pela minha própria experiência com o meu filho, se mostram muito abertas a esta mistura de nacionalidades no ambiente escolar.

O Theo está em uma Elementary School, onde estudam crianças de 5 a 10 anos (do kinderganten até a quinta série). Nessa faixa de idade escolar a relação entre as crianças é muito tranquila e elas não se importam em qual país você nasceu, elas querem brincar juntas, conversar e dar risadas. Essas crianças não tem preconceito com relação as outras crianças. As escolas daqui também são muito rígidas com relação ao comportamento do aluno em sala de aula e qualquer tipo de bullying é inadmissível.

Não sei como funciona a adaptação do pré-adolescente e do adolescente nas escolas daqui (alunos da Middle School e da High School) pois sabemos que nessa fase o ambiente escolar é um lugar muito importante no desenvolvimento social dos nossos filhos. Nessa idade os grupos de amigos já estão formados pois como aqui as crianças do mesmo bairro estudam na mesmo escola eles já se conhecem há muito tempo, e para um adolescente que chega de um outro país sem falar o idioma, se inserir em grupos de amigos já formados não deve ser tarefa fácil. Mas isso vai depender da personalidade de cada criança ou adolescente.

Hoje, dois anos e dois meses depois de chegar aos EUA sem falar nada de inglês, o Theo já está fluente. Ele saiu do programa ESL há 1 ano atrás pois segundo a professora o inglês dele está no mesmo nível dos coleguinhas de sala americanos. Cabe lembrar que dentro de casa só conversamos em Português. Tomamos esta decisão pois a carga de inglês que ele tem por dia na escola já é grande (ele fica 7 horas por dia na escola) e achamos importante manter a língua do nosso país. Além disso o meu inglês é repleto de erros gramaticais e de sotaque tanto é que, hoje em dia, sou eu quem pergunto para o meu filho como que se pronuncia determinada palavra em inglês!

IMG_1656

Uma das paredes da sala de aula do Theo

Um fato interessante é que as crianças que chegam aqui muito novinhas, por volta de 1 e 2 anos (por elas estarem no processo de começar a falar e adquirir vocabulário), quando começam a frequentar as escolinhas daqui elas tendem a misturar os dois idiomas e acabam usando palavras em português e em inglês na mesma frase, por mais que os pais falem apenas em português com elas. Crianças maiores como o Theo que chegou aqui com 5 anos, portanto já com o português bem consolidado, tem uma facilidade muito grande em transitar entre os dois idiomas sem misturá-los. Parece que eles têm um botãozinho que muda de maneira automática do português para o inglês e vice-versa.

O inglês dele, segundo a professora não tem sotaque e por sua vez, como sempre o incentivamos a falar português em casa e corrigimos os erros gramaticais que ele comete as vezes (pois agora ele tende a traduzir do inglês para o português) o português dele continua muito bom.

Com base nestes dois anos que estou morando aqui e observando tanto a adaptação do meu filho como a de filhos de amigos mais novos ou mais velhos que o meu, e pelo depoimento de outras mães em comunidades e blogs de brasileiros que se mudaram para o exterior com crianças, a adaptação ocorre de uma maneira muito natural e elas aprendem a falar inglês com uma rapidez impressionante! Então se a sua preocupação em se mudar ou não para outro pais é se o seu filho (a) vai aprender a nova língua e se adaptar, pode riscar este item do seu caderninho!

E para terminar o post segue duas frases clássicas que o Theo costuma falar em português pensando em inglês. A gente até acha graça, mas sempre fazemos questão de corrigir para o português dele ficar sempre bonitinho.

-“Posso ter água mamãe?” Normalmente ele perguntaria “Me dá água por favor mamãe?”  mas ele tende a traduzir do “Could I have water”.

-” Você sabe este desenho que está passando na TV?” Normalmente seria “Você conhece este desenho que está passando na TV?”, mas ele traduz do “Do you know this cartoon?”

Outros posts do blog relacionados a escola:

Escola nos EUA

Como é a escola pública nos EUA

Noite Multicultural na escola

Tem filhos em idade escolar aqui nos EUA? Deixe sua opinião aqui nos comentários!!

Abraços!

Juliana

 

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog mas não copie e cole