Great Smoky Mountains

O Great Smoky Mountains National Park faz parte do complexo das Appalachian mountains e é o parque mais visitado aqui dos Estados Unidos. Fica localizado na divisa entre os estados do Tennessee e da Carolina do Norte e é um lugar perfeito para quem quem gosta de passeios em meio à natureza.

Fomos para a região na semana do feriado de 4 de Julho com uma família de amigos. O tempo de viagem de carro saindo de Michigan é de aproximadamente 9 horas e meia no gps, mas para nós, com as paradas no meio do caminho, levamos quase 12 horas para chegar no nosso primeiro destino, a cidade de Cherokee, localizada na borda da Carolina do Norte da montanha.

No nosso passeio pela “Smokies” optamos por quatro noites em cabana em Cherokee e duas noites em hotel em Gatlinburg do Lado do Tennessee.

O trajeto entre estas duas cidades tem aproximadamente 60km é feito pela linda estrada 441, que cruza as Smoky Mountains e é repleta de paradas com mirantes e muitas trilhas.

Tem visitor center tanto do lado do Tennessee como no da Carolina do Norte, onde eu recomendo muito a parada para pegar o mapa da região e ver as opções de passeios no local, além de aprender um pouco mais sobre a história e a sua rica biodiversidade do local. Programe-se para cruzar a montanha durante o dia.

Um dos mirantes mais populares é o Clingsman Dome, onde você sobe uma rampa até chegar em uma torre que tem uma vista 360 das montanhas.

É um passeio bem de natureza, principalmente a região de Cherokee com trilhas, rios, cachoeiras e vida selvagem. Para quem gosta mais de agito, indico ficar mais dias em Getlinburg que é uma cidade bem turística e com muitas opções de restaurantes, destilarias e entretenimento.

Cherokee

Em Cherokee nos hospedamos em uma cabana (cabin) para quatro pessoas no Jellystone Yogi Campground. A cabana estava bem limpa quando chegamos e tinha uma cama de casal, um beliche, frigobar, ar condicionado e tv. Tem

Tem que levar roupas de cama, travesseiro e toalhas. As cabanas pequenas não tem banheiro e nem cozinha, então utilizamos o banheiro do camping e montamos a nossa “estação” de cozinha ao lado da cabana da mesma maneira que montamos quando acampamos de barraca.

Comparado com o Jellystone de Michigan, este era mais apertado, com sites menores e o banheiro mais antigo.

A localização do camping era excelente, a uns quinze minutos de Cherokee e praticamente no pé da Smoky Mountains e com um rio lindo passando ao lado do campground, além de ficar pertinho da Mingo Falls, uma das cachoeiras de fácil e que dá para ir tranquilo com as crianças.

Cherokee é uma cidade bem pequena mas tem um centrinho bem turístico com lojinhas de souvenir local, sorveterias e lanchonetes de rede americana. Aqui também tem muitas opções de hotel para quem não é da turma do camping.

Uma da principais atividades que as pessoas fazem aqui além das trilhas, é fazer o chamado tubing nos rios, que nada mais é do que descer o rio de bóia. No centro da cidade tem as empresas que oferecem esse passeio que é bem divertido.

Em Cherokee tem também um museu que conta um pouco sobre a história indígena local.

Estando em Cherokee você pode conhecer a cidade de Bryson City, onde também tem uma entrada para o Great Smoky Mountain National park. Nesta área do parque também tinha muitas pessoas fazendo tubing no rio.

Aqui fizemos a trilha das 3 cachoeiras, no Deep Creek Trail, onde é possível fazer o trajeto mais longo ou o curto. A primeira cachoeira é bem pequena e está no começo da trilha bem onde o pessoal que está fazendo tubing passa com as bóias. A segunda queda já é maior e dá para descer e nadar, se bem que água estava bem gelada. A terceira queda…bem nós não chegamos a ver pois tivemos um encontro com um urso no meio do caminho.

O encontro com o urso

Vir para a Great Smoky Mountains é ter a esperança de ver um Black Bear durante o passeio, mesmo que de longe.

Durante todo o trajeto estávamos atentos à algum sinal de urso, porém encontrar um urso nas trilhas é difícil pois eles se afastam devido ao barulho das pessoas que passam por ela, mas tínhamos a esperança de ver um urso de longe, no meio da floresta, mas depois de quase 3 horas de trilha nada de urso.

Já no final da trilha, quando não estávamos mais preocupados em
encontrar um urso e sim em chegar logo pois as crianças já estavam cansadas, um urso adulto cruzou a trilha poucos metros à nossa frente. Quando ele nos viu, deu uma paradinha no meio da trilha, olhou para nós (o coração disparou mais ainda) e seguiu para o meio da floresta.

A minha reação na hora foi pegar o Thomas no colo e pedir para o Theo andar para trás sem dar as costas para o urso. Ficamos juntos e imóveis e começamos a falar uns com os outros bem alto para espantá-lo.

Foi uma emoção muito grande ver um urso em seu habitat natural, livre! Alegria misturada com medo. Fomos sortudos duplamente: em termos conseguido ver um urso e do urso não ter dado bola para gente.

Com certeza este momento foi a cereja do bolo da nossa viagem! Um momento inesquecível!

Getlinburg

Localizada no lado do Tennessee, Getlinburg já é uma cidade bem turística. Passamos 2 noites na cidade, que estava lotada!

A rua principal é repleta de restaurantes, lojas, arcades, cinemas, aquário e tudo mais o que você possa imaginar para atrair turistas. O diferencial da cidade são as destilarias, as casas de panquecas de café da manhã e os parques de “aventura” como o Anakeesta e o Ober Getlinburg.

Para que gosta de um agito na cidade vizinha de Pigeon Forge tem mais atrações como os restaurantes temáticos com shows ao vivo, parque aquático e o parque temático Dollywood.

Ficamos hospedados bem perto do centro de Getlinburg e de todas as atrações disponíveis optamos em tomar café da manhã no Log Cabin Pacake House e no Pancake Pantry. Visitamos a destilaria Sugarlands, fomos no Hollywood Star car museum e passamos o dia no Anakeesta.

O Anakeesta é um parque temático que fica no topo de uma montanha no centro de Getlinburg. O melhor maneira de chegar lá é subindo de teleférico, mas tem a opção de ônibus para quem não se sente confortável de subir de bondinho.

As principais atrações são as pontes suspensas no meio da floresta, a torre de observação que lembra uma flor, a tirolesa e o rail runner mountain coaster (que lembra uma mini montanha russa com carrinhos individuais)

O complexo da Smoky Mountains é bem extenso e se você tiver mais tempo disponível tem opção de passeios de trem , passar um dia na região de Cades Cove, além das inúmeras opções de trilhas.

Para quem viaja com crianças como nós, tem várias trilhas chamadas “kids friendly” que são de fácil acesso e que contam a história da região. A trilha localizado atrás do visitor Center de Getlinburg é bem bacana para ir com as crianças. No Oconaluftee visitor Center em Cherokee além de visitar uma típica fazenda da região, no final da noite os Elks aparecem para pastar, as crianças adoram!

Clicando neste link você irá encontrar mais informações sobre a região.

Visitar as Smoky Mountains nunca esteve nos nossos planos de viagem, tínhamos outros lugares em mente para conhecer aqui nos EUA, mas a oportunidade apareceu e sem dúvida foi uma viagem muito legal e repleta de surpresas!

Juliana Fontes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: