Arquivo da categoria: EUA

Sleeping Bear Dunes National Lakeshore – Glen Arbor

Sleeping Bear dunes (foto: @moraranoseua)

Diferente dos anos anteriores, desta vez planejamos com antecedência e viemos passar a semana do feriado de 4 de julho aqui em Glen Arbor, o nosso cantinho de verão preferido em Michigan.

A cidade de Glen Arbor fica localizada na Leelanau península, na área conhecida como Northern Michigan  da lower península e dentro do Sleeping Bear Dunes National Lakeshore. É uma cidade pequenininha com estilo praiano com opção de restaurantes e lojas bacanas e um dos pontos de partida para um dos pontos turísticos mais famosos de Michigan o Sleeping Bear Dunes National Lakeshore (parque nacional de 71,000 acres que se extende desde a cidade de Empire até Leland).

Sleeping Bear Dunes Nacional lakeshore (foto: @moraranoseua)

Por do sol em Glen Arbor (foto: @moraranoseua)

Toda a região é repleta de trilhas tanto para caminhadas como para bikes e é o lugar perfeito para quem gosta de estar em contato com a natureza e fugir das cidades maiores. O Visitor Center do parque fica na cidade de Empire mas você vai conseguir informação e mapas em qualquer uma das cidadezinhas que fazem parte do complexo de Sleeping Bear.

Lake Michigan Overlook (foto @morarnoseua)

Para visitar a região das dunas, trilhas e praias que pertencem ao Sleeping Bear Dunes National Lakeshore é necessário pagar uma taxa de $20 dólares por carro que é válida por uma semana. Esta é a quarta vez que visitamos as famosas dunas e a vista do lago Michigan lá de cima  (Dune Overlook) sempre tira o meu fôlego! Lembrem-se de não passar reto pela entrada da estradinha que chega até o topo da duna (tem placas de sinalização com o nome Stocking Scenic Drive) além disso,  quando comprar o ingresso do parque, você irá receber um jornal com informações da região e um mapa do local, não tem como errar!

img_4285

Este mapa está dentro do jornal que você recebe ao pagar a  taxa para poder entrar na área do parque

Dune Overlook (foto: @morarnoseua)

Para quem gosta encarar uma subida de duna, outra opção é o Dune Climb, outro ponto bastante visitado. Você terá uma vista bem bacana do Glen Lake lá de cima (se olhar para trás), mas você não vai conseguir ter uma vista do lago Michigan depois de encarar a primeira subida. Do topo é ainda preciso encarar uma trilha para chegar no mirante. Aconselho a ir de tênis, boné, levar água e muito protetor solar. Não recomendo ir com crianças pequenas já que essa trilha é considerada de nível avançado e tem 3,5 milhas.

Foto – @morarmoseua

Nossa primeira vez em Sleeping Bear (clique aqui)

img_4284-1

Principais atracoes de Sleeping Bear (foto do jornal que recebemos ao pagar a taxa para entrar no parque)

Fizemos a reserva no hotel no começo de Maio, já que a opção hoteleira por aqui é pequena, principalmente se você pretende ter acesso ao Glen Lake. Como das outras vezes que estivemos aqui ficamos hospedados no Maple Lane Resort que tem uma prainha privativa no Little Glen Lake. Além do acesso ao lago, eles oferecem a opção de quarto do tipo kitchenette que tem uma mini cozinha, o que é ideal para preparar comida para as crianças. Na praia eles disponibilizam caiaque e paddle para os hóspedes e píer.

O hotel é simples mas bem agradável com quadra de areia , campfire para fazer s’mores a noite, um pequeno playground (poderia ser melhor), mesas de pic-nic e churrasqueiras espalhadas pelo gramado . O café da manha oferecido na diária é bem fraquinho e é servido na cozinha comunitária do hotel (Gathering room).

Para nós o grande atrativo de ficar hospedado nesse hotel/motel e não em algum outro hotel da cidade  é o acesso ao Glen Lake, lago cristalino, com fundo de areia, raso e água em temperatura agradável para as crianças. Ótimo para passar o dia todo andando de barco, fazendo wakeboard ou simplesmente se refrescando e tomando sol!

img_3377

Motel Maple Lane Resort

img_3360

Área externa do hotel em que ficamos hospedados

img_3554

Prainha que pertence ao hotel que ficamos no Glen Lake (foto: @moraranoseua)

Para quem não vai ficar hospedado na margem do Glen lake (o lago possui 2 lados separados por uma ponte, o lado maior é chamado de Big Glen lake e o menor de Little Glen lake), ele possui três acessos públicos. Um é exclusivo para colocar e retirar os barcos do lago (boat acess). Tem um acesso pela picnic área no little Glen lake quase em frente ao Dune Climb e um outro no big Glen lake em uma área chamada founders picnic area com área para picnic, playground, acesso para caiaque, pier e uma prainha com faixa de areia estreita.

Glen Lake – olha a cor da água desse lago! (Foto:@morarnoseua)

Glen Lake é perfeito para as crianças! (Foto:@morarnoseua)

Em Glen Arbor a única opção de campground é o D.H. Campground que é do tipo “rústico”. Na beira do Glen lake tem algumas opções de “hotel” (entende-se por motel tipo o que a gente vê nos filmes americanos) ou cabanas e há também as opções de casas de veraneio para locação. Na cidade tem opções de bed&breakfast e mais alguns hotéis pequenos. Tudo lota nesta época do ano, então a reserva tem que ser feita com antecedência.

Opções de camping em Sleeping Bear

Para encontrar hotéis em Glen Arbor e região é so fazer uma busca em sites como o Hotels.com ou Expedia.com. Para locação de cabanas/cottages tem opções no Airbnb e no Trivago, o que vale muito a pena quando vai um grupo de amigos.

Desta vez, como tínhamos mais dias para explorar a região, fizemos passeios novos como navegar de caiaque pelo Crystal River. A empresa que faz o passeio fica bem no centrinho de Glen Arbor e se chama Crystal River Outfitters   e eles te levam de van até o ponto de saída dos caiques. Recomendo ligar antes ou ir até o local pessoalmente para fazer a reserva dos caiaques já que a procura é grande. O passeio é super tranquilo para ir com crianças pois o rio é raso, de água cristalina e de correnteza bem suave e o trajeto é feito a favor da correnteza então não precisa remar muito.

Crystal River (foto: @moraranoseua)

Crystal River – olha a agua cristalina deste rio! (foto: @moraranoseua)

O Leo foi em um caiaque duplo ($58 dólares) com o Theo de 9 anos e eu fui no caique simples (R$36 dólares) com o Thomas de 2 anos no meu colo. Por estarmos com as crianças optamos pelo trajeto curto que durou uma hora e meia, mas no final o Thomas já estava meio cansado e foi para o caique no colo do pai para mudar um pouco. Quem estiver sem criança ou com crianças maiores pode fazer o trajeto completo que dura aproximadamente 3 horas dependendo da intensidade das remadas.

Crystal River(foto: @moraranoseua)

Caiaque no Crystal River (foto: @moraranoseua)

Outro lugar novo que conhecemos dessa vez foi Glen Haven, uma vilinha histórica entre Glen Arbor e a Dune Climb. A praia de lá tem faixa de areia estreita mas é ótima para tomar sol e para as crianças brincarem, mas como toda praia voltada para o lago Michigan a água é gelada mesmo no verão.  Tem um museu marítimo (pequeno mas bem legal para as crianças) e uma lojinha antiga onde é possível obter o carimbo do Sleeping Bear National Park no passaporte (você pode estampar os carimbos de todos os parques nacionais no seu passaporte como marco da sua visita nesses lugares). Como não estávamos com os passaportes, o Theo carimbou no Summer Jounal que ele está escrevendo durante as férias.  E para os pais e mães de plantão, do lado dessa loja tem um banheiro público com fraldário, espaçoso e limpíssimo, então podem curtir a praia de lá tranquilos com a criançada.

Praia em Glen Haven(foto: @moraranoseua)

Também vistamos a cidade de Leland, que fica a meia hora ao norte de Glen Arbor. É outra cidade gracinha de Michigan e de onde saem os ferrys para visitar as ilhas de Manitou. A cidade é famosa pela vilinha histórica de Fishtown, onde hoje em dia só restou uma peixaria as outras casinhas se transformaram em lojinhas e restaurantes charmosos na beira do rio que desagua do lago Michigan. Não exploramos muito a cidade, ficamos mais na região da Fishtown e no centrinho onde tem diversas lojinhas típicas de cidade de praia.

Fishtown em Leland (foto: @moraranoseua)

Leland (foto: @moraranoseua)

Pescaria em Fishtown (foto: @moraranoseua)

(Foto:@morarnoseua)

Para quem tiver tempo para explorar mais a região de Leland, recomendo ir até Northport, lá na pontinha mais ao norte de Leelanau (tem um State Park lá) e voltar pela costa leste da península explorando as várias vinícolas e cervejarias que tem na região até chegar em Traverse City.

No trajeto entre Glen Arbor e Leland pela M22 você passa por um outro ponto bem conhecido chamado Pyramid Point Overlook. Tentamos passar lá na volta mas pegamos a trilha errada com o carro que foi pela parte de baixo em direção as praias. Mas nenhum passeio é dado como perdido, resolvemos parar e lá fui eu com o Theo dar uma espiada na praia que era bem bacana, de pedras e mais selvagem (me lembrou as praias de Munisng na Upper Península), mas o melhor foi atravessar a pé um rio para chegar na praia, o que para o Theo foi mais legal que ver a praia em si.

.

travessia de rio para chegar na praia

Praia na região do  Pyramid Point com a ilha de North Manitou ao fundo

Mas Voltando ao Pyramid Point, pelas fotos que eu vi a vista de lá é bem parecida com o Dune Overlook e a trilha para se chegar lá é tranquila. Da próxima vez vou analisar direito o  mapa e pegar o caminho certo e  tentar conhecer esse outro ponto do Sleeping Bear Dunes National Lakeshore.

Outra área que ainda não exploramos é a região de Empire, que é aonde fica o visitor Center (headquarters) do Sleeping Bear Dunes Nacional Lakeshore. Dizem que o por-do-sol nas praias de lá são espectaculares  e tem outra trilha famosa com vista incrível para o lago Michigan chamada Empire Bluff Trail.

Dica de roteiro na Leelanau peninsula

Mais sobre as praias de Michigan clique aqui

Sobre a alimentação durante a viagem, tenho que confessar que não aguento mais comer comida americana, [e sempre a mesma coisa, tem tudo o mesmo gosto com algumas poucas exceções. Como no nosso quarto do hotel tinha cozinha, fazíamos as nossas próprias comidas, coisas simples que criança gosta como macarronada, arroz com franguinho desfiado, noite do hamburger, sanduiches naturais, muitas frutas e por ai vai.

Riverfront Pizza em Glen Arbor

Saímos para comer fora apenas dois dias. Comemos uma pizza muito boa (para os padrões americanos) no Riverfront Pizza. O lugar fica na beira do rio em que fizemos o caiaque, é minúsculo e funciona no esquema delivery, mas tem algumas poucas mesas disponíveis na beira do rio. E no dia de virmos embora almoçamos no tradicional Boone Docks, um restaurante com bar e lojinha que ocupa toda a esquina da rua principal da cidade bem em frente ao único mercado da região, o Andersons Glen Arbor Market. Um outro restaurante bem  típico da região é o Cherry Republic famoso pelas tortas de cereja e o Arts Tavern.   E para fechar, o melhor sorvete da cidade para o nosso paladar é o The Pine Cone, bem ali na rua principal.

Comeco da noite do feriado de 4th July (Foto:@morarnoseua)

Sei que este post saiu meio tarde já que metade do verão de Michigan já passou, mas ainda esta em tempo para quem não conhece, ir para a região do Sleeping Bear e vale lembrar que no outono, mesmo já estando mais frio a paisagem na região é espetacular!

Um grande abraço a todos

Juliana

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog (citar a fonte) mas não copie e cole.

Anúncios

Mackinac Island -MI

IMG_1755Para muitas pessoas o estado de Michigan se resume a cidade de Detroit e a indústria automobilística, porém como já mencionei aqui no blog, Michigan é um estado repleto de belezas naturais e cidadezinhas encantadoras!

Neste verão, depois de quase quatro anos morando aqui, fomos conhecer a famosa Mackinac Island, uma pequena ilha que fica bem na divisa entre a Lower (LP) e a Uppper península (UP) de Michigan. Historicamente a ilha teve uma grande importância estratégica no passado por ficar localizada bem no estreito de Mackinac que liga o Lake Michigan com o Lake Huron, dois dos cinco grandes lagos americanos. Hoje a ilha é reconhecida como patrimônio histórico (muitas de suas casas foram construídas entre os anos de 1700 e 1800) e é sem dúvida um dos destinos de férias de verão mais conhecidos daqui. A população da ilha gira entorno de 500 habitantes, mas no verão chega a ter em média 15 mil visitantes por dia!

IMG_1834

Os casarões centenários da ilha! Lindos! A maioria deles hoje são hospedagens do tipo  Bed&Breakfast

Saímos no sábado pela manhã de casa e depois de quatro horas de estrada estávamos em Mackinaw City. A idéia era já fazer o check-in no hotel antes de pegar o ferry para a ilha mas como só poderíamos entrar depois da 3pm,  deixamos o carro no estacionamento do hotel, pegamos as nossas bikes, abastecemos as mochilas com comidinhas e trocas de roupa para as crianças e pedalamos até o píer de onde saem os ferrys, que era bem pertinho do hotel, bem no centrinho da cidade.

Optamos em ficar hospedados em Mackinaw City pois os preços são mais em conta do que na ilha, porém o hotel é aquele “padrão Michigan”, o que quer dizer que pagamos $170 a diária (Fairview Beachfront Inn) para ficar em um hotel antigo,  com café da manhã (bem fraquinho) compartilhado com o hotel do lado e cuja única infraestrutura que o hotel oferecia, que era a piscina (que eles chamavam de waterpark, mas que de waterpark não tem nada), não conseguimos usar pois só abria depois do meio-dia (no sábado quando chegamos estávamos na ilha nessa hora e no dia seguinte o nosso check-out era as 11 da manhã. Existem várias opções de hospedagem na cidade, acho que não tivemos sorte desta vez…pelo menos ele era pé na areia no Lake Huron.

Se o valor da diária não é problema para você, recomendo ficar hospedados na própria ilha que tem opções boas de hotel e de bed-and-breakfast, mas é bom fazer as reservas com antecedência durante os meses de verão em Michigan. E se for para gastar mesmo fiquem hospedados no Grand Hotel, um hotel de luxo histórico com diárias na casa dos $900 dólares na alta temporada (totalmente fora do nosso budget rsrsrs). Cabe lembrar que, infelizmente, não é permitido acampar na ilha, mesmo 80% dela ser um State Park.

Para se chegar na ilha é preciso pegar um ferry que sai da cidade de Macknaw City (LP)ou de Saint Ignace (UP), o trajeto dura em torno de 20 minutos e é feito por duas companhias, a Star Line Mackinac Island Ferry  e a Shepler’s Mackinac Island  Ferry. O serviço das duas companhias é praticamente o mesmo e no site você terá acesso a informações sobre preços e horários. Optamos pela Shepler’s pois estava com promoção de criança free na compra de adulto e compramos os tickets  on-line para aproveitar o desconto. Um fato curioso é que na ilha não entram carros, então você terá que deixar o seu carro nos estacionamentos que essas empresas oferecem. Para se locomover na ilha você terá a opção de andar a pé, alugar bicicleta ou de andar de charrete.  Optamos por levar as nossas bikes pois já temos a cadeirinha do bebe acoplada. Cabe lembrar que tivemos que pagar $10 dólares a mais por bike no ferry.

IMG_1704

Em Mackinaw City aguardando o Ferry

Um fato interessante é que durante o inverno de Michigan este trecho do lago fica completamente congelado, então os ferrys não funcionam. O único meio de acesso para ilha é através de snowmobiles que percorrem um trecho seguro do lago congelado chamado de “ice-bridge” que liga Mackinaw City a ilha. Os snowmobiles são os únicos veículos motorizados autorizados a chegar na ilha.

O passeio de ferry até a ilha  foi gostoso, ficamos na parte de cima que é aberta então tivemos uma vista privilegiada da Mackinac Bridge. Conforme o ferry se aproxima da ilha ele passa do lado de um farol e já dá para contemplar a fachada dos casarões históricos da ilha, muitos deles em estilo vitoriano, além do forte Holmes e do Grande hotel.

IMG_1712

No ferry a caminho de Mackinac Island com a famosa Mackinac Bridge ao fundo

Desembarcar em Mackinac Island é como voltar no tempo, a rua principal, que na verdade é uma estrada, a M-185 (única estrada dos Estados Unidos que não permite veículos motorizados) é margeada por casarões antigos que hoje são sede de diversos restaurantes, lojinhas, locadoras de bicicletas e hotéis. Ao invés de carros nas ruas temos charretes puxadas a cavalo e muitas, muitas bicicletas! Para manter a ordem, tem lugares demarcados para estacionar as bikes ao longo da rua, locais exclusivos para as charretes e guarda de transito para garantir a ordem. Por ser um sábado a ilha estava bem cheia e as calçadas estreitas  dominadas por pedestres que cruzavam a rua de um lado para o outro o que requeria muita atenção quando estavámos pilotando as bicicletas.

IMG_1723

Ao chegar em Mackinac Island voce já se da conta que a bicicleta é o principal meio de transporte local

IMG_1728

Depois das bikes, os cavalos são a outra opção de transporte na ilha.

Optamos em seguir a avenida sentido sul da ilha e conforme nos afastávamos do centro o tumulto foi diminuindo. Esta rua/ciclovia contorna toda a ilha e tem a extensão de aproximadamente 8 milhas (13 km de circunferência) e pode ser percorrida de bike ou a pé. Os passeios a cavalo ficam mais concentrados no centrinho. Também tem diversas trilhas pelo interior da ilha para quem gosta de hiking.

IMG_1730

A rua/estrada (M-185) que contorna Mackinac Island

Claro que tem pontos turísticos tradicionais na ilha como o Arch Rock, o Fort Holmes, boboletário, museu, igreja e o Grand hotel mas preferimos nos concentrar no passeio de bike contornando a ilha e apreciar a vista do alto da Arch Rock pois só tínhamos praticamente uma tarde na ilha. Para quem for passar o final de semana na ilha vai ter tempo suficiente para os programas turísticos.

Como estava um dia lindo de sol (mas com um ventinho típico do norte de Michigan claro) a água do lake Huron estava transparente  e com um tom azul lindo! As praias que se formam na ilha não tem areia e sim muitas pedras, então as pessoas constroem castelos de pedras ao longo da margem o que da um efeito visual super bonito e diferente! E é claro que os meninos adoraram brincar nas pedras. Ao longo do nosso trajeto paramos para um lanchinho e apreciar a vista que era linda! Depois estacionamos as bikes no acesso para o Arch Rock que é que uma formação rochosa em forma de arco no alto do morro com vista para o lago. A escadaria que leva até lá tem por volta de 200 degraus mas não é difícil de subir e lá fomos nos com as crianças. Lá em cima tinha bastante gente, muitas tinham chegado de charrete por uma trilha interna. Tem alguns bancos para descansar e um mirante com uma bela vista para o Lake Huron. Todo mundo (claro!) queria tirar uma foto com a Arch roch ao fundo então, tivemos que esperar um pouco para conseguir tirar as fotos e usar estratégias para não sair nenhum desconhecido de “papagaio de pirata” na mesma…fato típico de lugares turísticos.

IMG_1763

Escadaria que leva ate a Arch Rock

IMG_1772

A famosa Arch Rock. Lá embaixo a estrada na qual viemos pedalando!

IMG_1774

Vista do Lake Huron do mirante da Arch Rock

IMG_1806

Praia de Pedras de Mackinac Island

IMG_1788

Castelos/faróis de pedras!

Não demos a volta toda na ilha pois o Theo já estava cansado de pedalar (estávamos com a nossa bike dupla onde eu pedalava na frente e ele ia atrás ajudando a pedalar e o Leo em outra bike com o Thomas na cadeirinha), então demos meia volta e retornamos pelo mesmo trajeto. Já era por volta de 5 horas da tarde quando chegamos novamente no centrinho da ilha, estacionamos as bikes e fomos almoçar/jantar no restaurante Pink Pony, o qual eu tinha lido bons reviews na internet. Este restaurante fica dentro de um hotel e o ambiente é antigo e meio vintage. Com relação a comida esta estava boa  mas nada diferente do padrão americano de ser. O kids-menu tinha as opções de sempre dos restaurantes (tender fingers, hamburguinho, grilled-cheese ou macarrão com queijo).

1200px-MackinacIslandDowntown

Centrinho de Mackinac Island

Ao saírmos do restaurante a ilha já estava mais vazia e o tempo estava começando a esfriar. Pedalamos um pouco no outro sentindo mas logo voltamos para pegar o ferry de volta para Macknaw City. Na volta viemos na parte de dentro do ferry pois o vento estava desagradável na parte externa. O interior do ferry é bem grande com bastante assentos e as janelas grande permitem um boa vista lá de fora, e a esta hora, as luzes da Mackinac Bridge já estavam acesas!

Quando voltamos para Mackinaw City pedalamos de volta para o hotel para ai sim, fazer o nosso check-in. No começo da noite demos uma volta pela cidade, tomamos um sorvete e fomos até  beira do lago ver o sol se por na Mackinac Bridge. Agora no verão o dia começa a escurecer  por volta das 9 e meia da noite apenas, o que faz o dia render bastante!

IMG_1853

Por-do-sol na Mackinac Bridge! Lindo!

Na manhã seguinte passeamos pela cidade, fizemos algumas fotos e antes de virmos embora almoçamos no Nonna Lisa’s Restaurant que tem uma decoração bem bacana em estilo cabana com animais empalhados e lareira (o Thomas ficou um pouco assustado com os bichos) e a comida estava muito boa, fugindo um pouco do cardápio típico americano.

Mackinaw city também é uma gracinha de cidade com varias opções de hotéis, restaurantes e lojinhas e passagem obrigatória para quem vai sentido upper península. Vale a penas dedicar um dia para passear e conhecer a cidade.

IMG_1866

Uma das paradas obrigatórias em Mackinaw City. Este é um dos melhores pontos para se ver a Mackinac Bridge!

Espero que tenham gostado de conhecer mais um pedacinho de Michigan aqui no blog! Visitem o perfil do blog no Instagram (@morarmoseua), tem sempre fotos novas por lá!

Abraços

Juliana

Todos os textos e fotos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos e fotos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog mas não copie e cole.

Mais lugarzinhos de Michigan nos posts abaixo!

Fim de semana em Petoskey-MI

Upper Peninsula de Michigan

Praias de Michigan

Traverse City -MI

Conhecendo o Texas

 

Dallas- Texas

Aproveitamos o feriado da Páscoa para conhecer o estado do Texas. Escolhemos esse destino pois era um lugar que nós ainda não conhecíamos, é quente e queríamos aproveitar a viagem para reencontrar duas famílias de amigos que não víamos há muito tempo e que moram por lá.

 Quero deixar aqui registrado que a minha idéia de um Texas com uma paisagem mais árida  tipo os filmes de cowboys que agente vê na TV ou de um lugar mais rústico foi por água abaixo quando desembarcamos em Dallas. Paisagem muito verde, cidade com avenidas largas, limpa, muita construção nova! Estradas para todos os lados e muito viadutos ligando todos os lugares. Na verdade, nós  que moramos em Michigan é que estamos no interior rsrs.

Uptown Dallas

Tiramos um dia para passear por Dallas e conhecer um pouco a região.   Estacionamos o nosso carro no subsolo do Museu de Artes de Dallas e pagamos $10 para deixar o carro lá o dia inteiro. Bem frente ao Museu de Arte tem um parque muito legal chamado Klyde Warren Park para ir com as crianças pois tem um splash playground onde as crianças podem brincar e se molhar. O dia estava quente por volta de uns  24°C o que para nós de Michigan é calor, então os meninos se divertiram bastante no parque. Na hora em que chegamos estava tendo aula de ioga no gramado do parque e tinham bastante gente participando e também estavam chegando vários foods trucks. Neste parque mesmo pegamos o bondinho/trolley (de graça) para ir até a região da uptown que é onde se concentra vários restaurantes.  Estes bondes  antigos que foram restaurados, fazem um trajeto bem legal pela uptown de Dallas e você pode descer e subir em qualquer ponto de parada que estão sinalizados nas ruas por onde ele passa e além do mais você não precisa pegar o carro e pagar outro estacionamento.

IMG_0338

Klyde Warren Park

Paramos para almoçar em um restaurante chamado Bread Winners Café&Backery, o restaurante é bem bacana as tem várias opções de comidas, lanches e cafés. O que eu gostei nesse restaurante foi o pátio interno com bastante plantas e com luz natural que foi onde ficamos para almoçar, outra coisa que eu achei  interessante foi o kids menu na contra capa de um livro infantil e a única falha do restaurante foi ausência de trocador infantil nos banheiros. Como precisava trocar a fralda do Thomas perguntei para o garçom se tinha algum lugar que eu poderia trocar-lo e ele me encaminhou para uma sala que não estava sendo usada no momento no restaurante onde havia vários sofás onde pude trocar.

Bread Winners Cafe

Trolley de Dallas

Não consigo entender qual a dificuldade dos estabelecimentos em colocar trocador nos banheiros, é uma coisa tão simples! É só fixar na parede o trocador inclusive, no banheiro masculino, deveria ser obrigado por Lei a ter.

Depois de almoço caminhamos um pouco a pé pela região da Uptown de Dallas e  encontramos uma cafeteria de chocolate chamada Sablon Chocolate Lounge e como não resistimos a um chocolate entramos lá para uma sobremesa.

No dia seguinte fomos conhecer o Distrito histórico Fort Worth Stockyard. É um quarteirão da cidade que reproduz o Texas antigo com a estação ferroviária, área de rodeio, desfiles de boi restaurantes especializados em carnes e as lojas que vendem artigos de couro como  botas e os chapéus de caubóis. Almocamos no H3 Ranch, um restaurante com estilo bem texano e comemos uma costela muito boa! Foi um passeio bem legal e o mais próximo que cheguei daquele Texas que aparece em Filmes.

Fort Worth Stockyards

Em Dallas ficamos hospedados na casa de amigos, então não tenho indicação de hotel por lá. Seguimos viagem de Dallas sentido Houston com um pequeno desvio no caminho na cidade de Waco pois o Leo descobriu um lugar para fazer wakeboard de cabo (Cable Park) e como em Michigan não tem e só faz calor três meses por ano ele quiser aproveitar a viagem pra matar a saudade de fazer wakeboard. O lugar é bem legal tem uma boa estrutura e os meninos se divertiram. Almoçamos em Waco mesmo em um restaurante de rede chamado Texas Roadhouse, surpreendentemente a carne e os acompanhamento que pedimos estavam muito bons! (Depois de mais de três anos morando nos EUA não  esperamos muita coisa de restaurantes de rede).

Cable park em Waco

Chegamos em Houston  já a noite em baixo de chuva! Como estávamos bem cansados da viagem fomos direto para o hotel. Ficamos hospedados no Sheraton Houston Brookhollow pois como deixamos para fazer a reserva em cima da hora era o com valor mais em conta, ficava um pouco afastado do centro mas para nos não tinha problema. O  hotel era bom mas já está pedindo uma renovação principalmente dos banheiros. Também não tinha frigobar no quarto o que para quem viaja com crianças faz falta (enchemos o balde de gelo que tinha no quarto com gelo para conservar o iogurte que tínhamos com a gente).

 Na manhã seguinte, tomamos café da manha no hotel e fomos direto para o Space Center da NASA . Passamos o dia todo lá e é um passeio bem legal para se fazer com crianças, principalmente meninos que tem essa afinidade com astronautas, foguetes e o espaço. Nossa ideia era fazer um almoço mais tarde em alguma churrascaria brasileira em Houston, mas saímos muito tarde da NASA e tínhamos combinado de jantar na casa de uma amiga brasileira que mora em Houston, então seguimos direto para a casa dela. Foi ótimo reencontra-la e para tornar a visita melhor ainda os pais dela estavam lá de visita e eles são uma família muito querida por nós, mesmo sem nos ver há muitos anos! Para quem mora longe da família e doa amigos esses reencontros aquecem o coração!

Nasa Space Center

Nasa Space Center

 

Por dentro do Space Center

Saturno V

No dia seguinte os nossos planos de passear na parte da manhã pelo centro de Houston furaram pois estava chovendo e tínhamos que voltar dirigindo até Dallas (4 horas) para pegar o nosso voo de volta para Michigan. Antes de sairmos de Houstom paramos em uma padaria Mexicana chamada El Bolillo Bakery que vende todos os tipos de pães gostosos que você pode imaginar, inclusive pão francês! O único problema é que não tinha mesinhas lá dentro para comer, mas enchemos a nossa bandeja de gordices e fizemos pic-nic de café da manha no carro mesmo.

Nossa bandeija de pãezinhos do El bolillo

A viagem foi corrida mais super legal! Com certeza Houston pede mais dias de visita porém deu pra conhecer um lugar novo e reencontramos amigos queridos!! Gostamos muito do Texas e recomendamos viajar para lá sim! Dizem que Austin e Santo Antonio são muito legais também!

Blogs com dicas ótimas sobre o Texas:

Aprendiz de Viajante

Alo Houston!

Abraços

Juliana

Todos os textos e fotos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog mas não copie e cole.

Fim de semana em Petoskey-MI

img_6896

M119 – Harbor Springs

No final do mês de outubro fomos conhecer a região de Petoskey aqui  de Michigan que fica na  área conhecida como Little Traverse Bay. Petoskey é um destino de praia (praia formada pelo gigantesco lago Michigan) muito frequentado nas férias de verão aqui de Michigan entre os meses de Maio e Setembro. Porém no outono a região também faz sucesso devido a mudança nas cores das folhas das árvores que vão do tom vermelho, passando pelo laranja até chegar no amarelo ouro o que dá para a região um efeito visual lindo!

Saímos na sexta-feira a tarde e ao invés de ir direto para Petoskey desviamos para oeste sentido Traverse City. A viagem em si em direção ao norte de Michigan já é por si só um deleite para os olhos, ver todas aquelas árvores coloridas beirando as estradas é lindo demais! Já estivemos em Traverse duas vezes mas como desta vez estávamos com os meus pais queríamos que eles também conhecessem esta cidade que é um dos destinos turísticos mais famosos aqui de Michigan.

Chegamos quando já estava anoitecendo em Traverse e ficamos hospedados no Grand Beach Resort Hotel. O Hotel fica bem localizado, bem de frente para a praia. O tempo não ajudou muito, estava frio e com uma garôa fininha. O hotel tinha uma piscina indoor o que foi o ponto alto para o Theo nesse primeiro dia de viagem. Depois da piscina e de um banho saímos para jantar. Os restaurantes da rua principal do centro de Traverse City estavam bem cheios, acabamos jantando em um restaurante mais próximo do hotel, já que com um bebe não da para arriscar ficar em fila de espera em restaurante.

img_6747

Praia em frente ao Grand Beach Resort Hotel. No verão deve ser ótimo!

Recomendo fortemente reservar os hotéis antes de ir para esta região. Mesmo não sendo alta temporada, a maioria dos hotéis estavam lotados! Se você também tem a intensão de jantar em algum restaurante em especial também recomendo ligar para o local durante o dia e fazer reserva se não quiser esperar mais de uma hora na fila por uma mesa.

O quarto do hotel era muito bom,  com duas camas queen-size, uma mini copa com microondas, frigobar e pia o que facilita a vida de quem esta com um bebe e precisa fazer papinhas e preparar mamadeiras. O ponto negativo do hotel foi a não disponibilidade de berço para bebe (esqueci de solicitar quando fiz a reserva), um cheiro (fraco) de cigarro no quarto, mesmo o hotel sendo smoky-free e a sala de café da manhã era muito pequena com relação ao tamanho do hotel, o que tornou a hora do café da manhã tumultuada.

No dia seguinte , o tempo estava um pouco melhor e passeamos um pouco pela cidade.  Fomos conhecer o The Village Grand Traverse Community. Para mim o mais legal do local é a área externa, o que rendeu bonitas fotos. Lá também tem restaurante e lojinhas.

img_6754

The Village Grand Traverse Community

Na saída paramos na Grand Traverse Pie Company, um lugar famoso pelos diversos tipos de tortas doces. O lugar é super gostosinho, paramos lá para tomar um chocolate quente e recomendo visitar o local. Além das tortas vi saindo vários sanduiches bem apetitosos!

img_9655

Pie Company em Traverse City

O centrinho de Traverse é cheio de restaurantes e lojinhas, super charmoso o que  pede uma caminhada a pé, mas desta vez o nosso destino era mais ao norte então só passamos de carro. Recomendo se tiver tempo de viagem, reservar um dia inteiro  para curtir a região central de Traverse City. Traverse também fica perto de Glen Arbor e de Sleeping Bear Sand Dunes, dois lugares que vale a pena a visita se você ainda não esteve lá.

Nossa viagem para Traverse City esta aqui.

E para quem gosta de cerveja existem várias cervejarias pela região além das vinícolas.

De Traverse City pegamos a estrada US-31 sentido Petoskey. O viagem durou em torno de uma hora e o trajeto beirando o lago Michigan é lindo! No caminho existem várias farms que vendem  maçãs na beira da estrada. Um pouco antes de chegar em Petoskey passamos por uma cidade chamada Charlevoix que fica situada entre o lago Michigan e o lago Charlovoix, só de passar por ela já me deu vontade de para e almoçar em algum restaurante de lá de frente para o lago, uma cidadezinha super charmosa.

img_6764

US-31 a caminho de Petoskey

img_6766

Charlevoix-MI

Chegamos em Petoskey no começo da tarde. Ficamos hospedados no Comfort Inn, um hotel padrão aqui nos EUA. A recepção era um pouco datada mas  o quarto e banheiros eram bons. Ficamos hospedados no segundo andar e como o hotel não tinha elevador tivemos que subir pelas escadas com as malas. O café da manhã, padrão americano, estava melhor que o do hotel de Traverse City.

img_6903

Petoskey-MI

IMG_6789.JPG

Bayfront Park em  Petoskey

DSCN2237.JPG

Lake Michigan – Bayfront Park Petoskey

Saímos do hotel e fomos conhecer a loja de chocolates Kilwins Chocolate Kitchen que fica bem na avenida principal que beira o lago. A loja é bem bacana e além dos chocolates e sorvetes, vende aqueles fudges típicos da região norte de Michigan e a pipoca caramelizada que o Theo adora. Se você se programar com antecedência dá para fazer um tour pela fábrica de chocolates. De lá paramos no Bayfront park que fica bem na beira do lago (na estrada um pouco mais ao norte desse park tem o Sunset Park, que fica na parte alta da estrada e é um ótimo local para tirar fotos). As árvores estavam lindas com as cores do outono! Tinha um playground bem bacana também mas como já era fim de tarde o vento frio encurtou o nosso tempo no parque.

img_6819

Petoskey-MI

IMG_6775.JPG

Kilwins chocolate kitchen em Petoskey

Quase em frente ao Bayfront park tem o Bear River Valley Recreation Area, um lugar bem tranquilo e gostoso para fazer caminhada. A ponte de arcos que tem logo na entrada é bem bonita, vale a pena o passeio se você gosta de caminhadas ao ar livre. A cidade em si é bem bonita e possui muitas casas em estilo vitoriano que dá todo um charme para o local. Por ficar em uma colina, Petoskey tem uma vista privilegiada do Lake Michigan.

img_6798

Petoskey- Bear River Valley

img_6807

Bear River Valley – este parque fica bem no centro de Petoskey

A noite, deixamos os meninos com os avós no hotel e saímos para um jantar a dois. Por coincidência estava tendo a Restaurant Week em Petoskey bem neste fim de semana. Escolhemos o restaurante Pallete Bistro para ir e acertamos na escolha, A comida estava muito boa, o lugar super aconchegante! Nossa passagem por Petoskey foi rápida, com certeza iremos voltar para desbravar mais a cidade.

img_9678

Centrinho de Petoskey-Mi

Mais sobre a cidade de Petoskey e o que fazer por lá clique aqui.

img_9713

M-119 Tunnel of Trees

No dia seguinte  deixamos o hotel para conhecer o famoso Tunnel of Trees. Tunnel of Trees Scenic Heritage Rte é como é conhecido o trecho da estrada M119 entre  as cidades de Harbor Springs e Cross Village ao norte de Petoskey. Esse trecho tem 20 milhas (aproximadamente 32 quilometros) e está entre uma das estradas mais bonitas de Michigan e é muito procurada nesta época do ano por causa das cores das folhas das árvores durante o outono.

O dia estava um pouco nublado mas a paisagem continuava  linda para o passeio! O nosso hotel estava localizado bem na saída para a M119. Logo no início da estrada tem a Cervejaria  Petoskey Brewing, que é parada obrigatória para os amantes de cerveja. A caminho de Harbor Springs do lado esquerdo da estrada vai estar o Petoskey State park. Se você estiver com tempo, vale parar e desbravar a região. O parque fica  em frente ao lago Michigan e deve ser lindo.

Continuando na M119, a próxima parada foi em Harbor Springs. Fiquei encantada com Harbor Springs! É uma cidadezinha bem pequena mas super charmosa. Na rua que beira a praia tem uns casarões lindos! No verão aquele lugar deve ser o máximo. É em Harbor Springs que o famoso Tunnel of Trees começa de verdade.

img_6901

Pond Hill Farm- Harbor Springs

Outra parada bacana, logo depois de Harbor Springs é a  Pond Hill Farm. É uma fazenda que nessa época do ano fica cheia de abóboras. Um lugar bacana para fotografar e para quem tem crianças tem uma fazendinha e algumas brincadeiras como boliche de abóboras. Eles vendem vários tipos de cervejas e vinhos da região e para quem quer entrar no clima do outono de Michigan tem para vender os famosos dunuts com açúcar e canela e suco de maçã tradicional e o quente que parece um chá de maçã, muito bom!

dscn2256

Pond Hill Farm

 

dscn2261

Pond Hill Farm

Continuamos na estrada sentido norte. A M-119 neste trecho é estreita então as árvores ficam bem próximas uma das outras formando um verdadeiro túnel de árvores. É uma estradinha cheia de curvas, subidas e descidas, uma delícia de ir passeando observando a paisagem, sem pressa, mas prestem atenção no trafego pois mesmo ela sendo estreita ela é de mãos dupla e não tem faixa separando as pistas (o asfalto era novo, pode ser por isso) então um olho nas árvores e outro na estrada. Em alguns trechos da estrada é possível ver o Lago Michigan a sua esquerda (para quem esta indo sentido Norte). Praticamente não existem pontos de parada, pois a área de acostamento é bem estreita mas em alguns lugares é possível dar uma parada rápida com o carro para fotografar.

img_9701

M-119

img_6898

M-119 Tunnel of Trees

Este ano, a mudança das cores das folhas das árvores atrasou. Dizem que foi porque o frio demorou para chegar por essas bandas este ano. Normalmente a mudança das folhas nesta região mais ao norte de Michigan começa no final de setembro tendo o seu ápice no meio do mês de Outubro. Estivemos na região no fim de semana do dia 22 de outubro e ainda tinha vários trechos onde as folhas ainda estavam verdes. Este ano, só conseguiu ver tudo amarelo cor de ouro quem esteve na região entre a última semana de outubro e a primeira de novembro, o que foi totalmente atípico.

DSCN2268.JPG

Este trecho da M119 ainda estava bem verde, mas mesmo assim lindo!

apice-fall

No final da mudança das cores a M-119 fica assim! (photo M-119 facebook page)

Um pouco antes de chegar em Cross Village tem uma vilinha na beira da estrada chamada de Good Heart, onde tem opções charmosas para tomar um chocolate quente. Mas cuidado, se você piscar voce passa por ela sem perceber.

img_6869

Uma paradinha no meio da M-119

 

A estrada termina em Cross Village que é praticamente uma rua onde fica  o Legs Inn, famoso restaurante e ponto de parada obrigatória  da pequena comunidade mas para a nossa surpresa ele já estava fechado para a estação. Tentamos comer alguma coisa no Old World Cafe que fica do outro lado da rua mas estava impossível de entrar, lotado. Fomos então conhecer a praia de Cross Village. Muito bonita, pena que o tempo fechou e estava aquele vento frio vindo do lago Michigan.

IMG_6876.JPG

Praia em Cross Village-MI

img_6871

Praia de Cross Village-MI

De lá pegamos estrada de volta para casa. Esta região da M-119 dá para ser explorada com mais calma, principalmente no verão para curtir as praias e os parques. Infelizmente só tínhamos tempo para passar por ela. Voltamos pela I-75, se tivéssemos um dia a mais iríamos até Mackinaw City para os meus pais conhecerem pois estávamos bem pertinho, a menos de meia hora de carro. A volta foi bem puxada, paramos para almoçar na cidade de Gaylord em um restaurante tipo buffet chamado Ponderosa Steakhouse, o que é raro por aqui. Então seguimos direto para casa com duas crianças no carro. No final o Thomas já estava cansado e chorou bastante. O ideal seria ter dormido em algum hotel no caminho e voltado no dia seguinte pela manhã, fica então a dica para quem esta com criança pequena.

 

map

Este mapa mostra um roteiro bem bacana de viagem para se fazer por Michigan

Mais informações:

Pagina da M-119 no facebook

Pure Michigan

MyNorth

Petoskey Area

Traverse City

Abraços

Juliana

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog mas não copie e cole.

Como é morar em Richmond na Virginia

E o post de hoje foi escrito pela Carol Mendes do blog Descobri a América que mora na cidade de Richmond, no estado da Virginia.

Obrigada Carol por colaborar com o blog!

image35

Meu nome é Carol Mendes, moro nos Estados Unidos há 4 anos, atualmente em Richmond, estado da Virginia. Mantenho um blog com dicas sobre a vida nos EUA chamado Descobri a América (www.descobriaamerica.com) e hoje vim contar pra vocês, leitores do blog Morar nos EUA, um pouquinho da minha vida aqui.

Sou de São Paulo, casada com um americano e mãe de dois garotinhos lindos. Nunca sonhei em morar na América, mas… “o amor não escolhe pátria” e isso resume bem como vim parar neste país.

Já morei em North Carolina, numa cidadezinha nas montanhas, fronteira com os estados de Tennessee e Georgia. Amo o sul dos Estados Unidos, principalmente os americanos sulistas!

Richmond não é uma cidade muito conhecida pelos brasileiros, mas é a capital do estado da Virginia e está situada a mais ou menos duas horas e meia ao sul de Washington, D.C. É uma das cidades mais antigas do país e muitos acontecimentos importantes na história americana aconteceram aqui. Prédios e bairros históricos, museus, monumentos e campos de batalha enriquecem e embelezam Richmond em toda a sua extensão. Até Pocahontas viveu aqui! J

Richmond City, em si, é relativamente pequena e contava com 220.289 habitantes em 2015, de acordo com o United States Census Bureau. Quando falamos sobre Richmond, geralmente nos referimos à Grande Richmond, ou seja, Richmond City e Condados de Chesterfield, Hanover e Henrico (subúrbios). A Grande Richmond conta com aproximadamente um milhão de habitantes.

Quem não mora em Richmond City, mora nos subúrbios (arredores) da cidade, por serem locais mais tranquilos (não confunda subúrbios com pobreza). Geralmente as famílias moram nos arredores porque a vida no centro é mais agitada, além dos preços dos imóveis do centro serem inacessíveis à maioria da população (entenda como milhões de dólares).

O que acho interessante nos arredores de Richmond City é que, em muitos lugares, não há calçadas. É chato porque, quando se você quer passear de carrinho com as crianças, é necessário ir pela rua (apesar dos carros trafegarem “devagar”).

Ter carro é algo essencial por aqui. Há transporte feito por ônibus (GRTC Transit System) mas a abrangência é limitada e não há linhas saindo de bairros residenciais.  Resumindo, sem carro você não vai a lugar algum.

Falando em carro, temos o sistema de trens da Amtrak que nos leva de Richmond a Washington em duas horas. Vale a pena para quem quer conhecer Washington mas não está a fim de dirigir e enfrentar o trânsito do caminho até lá, principalmente chegando na cidade.

 Sobre o clima, temos todas as estações do ano bem divididas: verão é quente (entre 28 e 40 graus Celsius, em média), inverno é frio mas na maioria das vezes não passa de zero graus Celsius, e primavera e outono são amenos. De janeiro a março é possível ter neve, mas é sempre pouca e derrete logo, às vezes até no mesmo dia.

 Para quem gosta de praia, estamos pertinho da costa leste! Virginia Beach, a mais famosa praia, fica a apenas 190 Km daqui.

 Há somente um mercadinho brasileiro, chamado Cantinho do Brasil. Quanto a restaurantes, há o Texas de Brazil e o Ipanema Cafe. A comunidade brasileira é bem pequena, o que pode ser ótimo para quem está querendo vir para uma cidade bacana aprender inglês e não ter contato com brasileiros (para evitar conversar em português).

De forma geral, adoro a minha vida nos Estados Unidos. Não pense que se trata de um país perfeito, pois não é; mas é onde me sinto em casa atualmente e onde posso preparar um futuro melhor para os meus filhos. Para quem sonha em vir pra cá, primeiramente é necessário ter em mente que morar e passar férias são universos bem diferentes. A decisão de morar aqui tem que ser tomada de forma consciente, após extensa pesquisa e planejamento. E é para ajudar nessa busca de informações que eu e a Juliana tentamos contar em nossos blogs sobre a vida nos EUA como ela realmente é. Viver num país diferente, viver uma cultura e valores diversos, exigem uma alta capacidade de adaptação e humildade e isso não é pra todo mundo. Será que é pra você? Se quiser saber a minha opinião e experiências, te convido a visitar o blog Descobri a América no link abaixo. See you soon!

Carol Mendes

Blog: www.descobriaamerica.com

Instagram: https://www.instagram.com/descobriaamerica

Facebook: https://www.facebook.com/descobriaamerica

Rumo a UP North- Parte 2

DSCN0775

Depois de fazermos o passeio principal de Munising que é ver as Pictured Rocks passeando de barco pelo Lake Superior – Clique aqui para ver esta primeira parte da viagem – no dia seguinte fomos desbravar de carro a região.

Como o tempo virou e começou a chover (não deu para fazer o passeio de caiaque pelas Pictured Rocks), resolvemos ir até a cidade de Marquette que fica  a  50 minutos de Munising. A estrada vai beirando o Lake Superior e se não fosse o tempo chuvoso teria rendido lindas fotos. A cidade de Marquete é a maior cidade da Upper Península com aproximadamente 22,000 habitantes. Marquette é uma cidade universitária pois abriga a Northern Michigan University com aproximadamente 10,000 estudantes. É uma cidade turística que assim como Munising atrai turistas na primavera, no verão por causa das praias, camping, pesca e caça, no outono por causa da paisagem deslumbrante e diversas trilhas para hiking e bike e no inverno por causa dos esportes de neve. Como tempo não ajudou muito fomos conhecer o Marquette Maritme Museum. É um museu pequeno mas bem montado e as crianças pequenas acabam gostando. Ao lado do Museu tem uma Lighthouse (farol) para visitar, mas como não vemos muita graça em visitar farol acabamos não indo até lá (Os moradores de Michigan tem uma atração por faróis, deve ser por aqui tem muitos, já que o estado é rodeado pelos grandes lagos)

IMG_0127

Museu Maritimo de Marquette. Opção para um dia de chuva.

Depois do museu fomos comer a famosa Pastie, que é tipo uma fogaça tradicional da região norte de Michigan. Comemos em uma pequena lanchonete chamada Jean Kay’s que é bem tradicional na região, estava muito bom e o próprio proprietário estava lá fazendo as pasties e foi super atencioso conosco.

IMG_0131

A famosa Pastie da Upper Peninsula.

IMG_0129

 Na volta para Munsing passamos por um parque repleto de esculturas gigantes feitas com sucata chamado Lakenenland, você não paga nada para entrar e nem precisa sair do carro para ver as esculturas, o que é bom em dias chuvosos e no inverno.

IMG_0140

Esculturas de sucata do Lakenenland

IMG_0137

Lakenenland

Esta região entre Munising e Marquette é repleta de trilhas para ATVs (jipes, quadriciclos, motos) e no inverno elas são usadas para andar Ski (Ski Trail) e de snowmobile, são mais de 300 milhas de trilhas para os aventureiros que gostam de se divertir na neve. Clique neste link para obter mais informações de como se divertir no inverno na Upper Península de Michigan! Dizem que ver as inúmeras cachoeiras da região congeladas é outra atração imperdível!

neve munising

Upper Península: Ótima opção para os esportes de inverno! (foto: http://www.munisingsnow.com)

Eben_Ice_Caves

Eben Ice Caves (fotos do site munisingsnow)

Munising_Waterfalls

Munising Winter Waterfalls (fotos do site munisingsnow)

Mais informações sobre a cidade de Marquette aqui.

Marquette Visitor Guide

No dia seguinte o tempo melhorou e seguimos viagem de Munsing pela sentido Grand Marais pela estrada H-58. Esse passeio é lindo e eu só fiquei imaginando passar por esta estrada no outono, quando as folhas das árvores estão com aquele tom vermelho-alaranjado lindo!! Neste trajeto de 50 milhas existem vários pontos de paradas com mirantes, cachoeiras e praias. Um dos mirantes mais bonitos e de fácil acesso é o Minners Castle que oferece uma vista linda do alto das Pictured Rocks.

IMG_0174

H-58 – Considerada uma das estradas mais bonitas da Upper peninsula. Conseguem imaginar este lugar no outono?

DSCN0730

Mirante Maners Castle

Outro mirante bem procurado é o Chapel Rock, mas acabamos vendo ele apenas de longe pois a trilha requeria uma caminhada mais longa e com criança pequena complica um pouco. Paramos em algumas praias muito bonitas pela caminho e bem rústicas, porém sofremos um pouco com os mosquitos, passamos repelente mas mesmo assim eles estavam nos atacando (me lembrou meus passeios em Ilha Bela-SP), mas mesmo com  mosquitos vale a pena! Cabe lembrar que as praias formadas pelo Lake Superior são mais contemplativas pois a água, mesmo no verão, é gelada!

DSCN0738

Trilhas para os mirantes são bem acessiveis.

DCIM101GOPRO

Praias na H-58: Rústicas, lindas e geladas (no começo do verão)

IMG_0158

Praia formada pelo Lake Superior

Mais informações sobre os mirantes e praias na H-58 aqui.

map6

Grand Marais é uma vilinha de praia bem pequena mas charmosa, é conhecida pelas praias escondidas e pelas dunas de areias. Para quem não vai se aventurar pelas trilhas não tem muito o que se fazer por lá, paramos apenas para almoçar e continuamos a viagem para conhecer a mais famosa das cachoeiras de Michigan, a Tahquamenon Falls.

IMG_0180

Dunas de Grand Marais

IMG_0183

Vista do lake Superior do alto das dunas de Grand Marais

IMG_0191

Cidade de Grand Marais

Tahquamenon Falls é considerada a maior cachoeira de Michigan. Ela fica na cidade de  Newberry dentro de um parque estatual e o acesso é fácil, com boa sinalização e boa infra-estrutura ao redor com banheiros, lanchonetes e lojinhas de lembrancinhas. Não espere encontrar uma cachoeira gigante, para a gente que já esteve em Foz do Iguaçu ou até mesmo em cachoeiras menores espalhadas pelo Brasil, ela é pequeninha, mas a paisagem em que ela esta inserida é muito bonita e vale a pena o passeio.

DCIM101GOPRO

Tahquamenon Falls

DCIM101GOPRO

A famosa Tahquamenon Falls

Mais Informações sobre a Tahquamenon Falls aqui.

Atrações na região da Tahquamenon Falls.

images (1)

Tahquamenon Falls no outono, temos que voltar lá na estação mais bonita do ano de Michigan!!

Nesta região tem diversos passeios para fazer e locais para acampar. Tem o Oswald’s Bear Ranch que é um santuário de ursos (não é um zoológico) que parece ser uma passeio bem legal, mas acabamos não visitando, ficou para a próxima.

2956540344_3fd160fbd8

Como aqui durante o verão fica claro até quase as 10 horas da noite, seguimos viagem ate chegar na cidade de Sault Saint Marie onde tinhamos hotel reservado. Eu particularmente não gostei dessa cidade, achei bem decadente. Sault Saint Marie faz divisa com o Canadá com uma cidade de mesmo nome e possui um porto muito grande pois o canal que passa pela cidade faz a comunicação entre os Lagos Superior e o Huron, então a cidade tem uma importância comercial e estratégica, mas de turística deixa a desejar. O único passeio que fizemos na cidade foi visitar um navio museu, o Museum Ship Valley Camp. É um passeio legal pois é um navio enorme que foi transformado em museu e você anda por ele inteiro. Demos uma volta na rua principal da cidade onde aproveitamos para comer o famoso Fudge da Upper Peninsula.

DSCN0779

Museum Ship Valley Camp em Sault Saint Marie

IMG_0217

IMG_0213

Fudge em Saint Marie

IMG_0218

Preparando o Fudge

De Saint Marie seguimos caminho de volta para a Lower Peninsula cruzando novamente a Mackinac Bridge. Paramos na cidade de Mackinaw City, esta sim bem bonitinha, para apreciar a vista da  famosa ponte.

IMG_0234

Macknaw City

Pretendemos voltar novamente para Mackinaw City para conhecer mais a cidade e conhecer também Mackinac Island, que é um dos pontos turístico mais famosos de Michigan. Só não fomos desta vez pois não estávamos com tempo e tínhamos que voltar para casa.

Esse foi o nosso primeiro passeio na Upper Peninsula, claro que tem muito mais lugares para se conhecer por lá. A região é muito bonita e foge do padrão americano de viagem pois é um passeio para se curtir a natureza, sem pressa, sem outlets, sem vida noturna e  sem grupos de excursões pelo caminho.

Informações sobre Mackinaw City aqui

informações sobre Sault Saint Marie aqui

Abraços

Juliana

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog mas não copie e cole

Rumo a UP NORTH !!! Parte 1

2956540344_3fd160fbd8

Para os que não sabem, o estado de Michigan é composto por duas penínsulas a Lower Península (carinhosamente apelidada de “mitten”, em referencia a um tipo de luva de inverno) e a Upper Península.

Na lower Península se concentra as principais cidades do estado como Detroit e a capital de Michigan que é a cidade de Lansing (não, Detroit não é a capital de Michigan).

A Upper Península de Michigan é a parte, vamos dizer, mais rústica do estado de Michigan, e desconhecida da grande maioria das pessoas que não são residentes de Michigan. Só tenho uma coisa a dizer sobre a Upper Península: foi uma surpresa !!!!

750x750_michigan_m

As duas penínsulas que representam o estado de Michigan.

Gen-P-307-PM_1133G_L

Maneira divertida de representar o estado de Michigan!

Para chegar na Upper Península é preciso atravessar a famosa Mackinac Bridge (apelidada pelos Michiganders de Big Mac) que liga a cidade de Mackinaw City na Lower península a cidade de St. Ignace na Upper Península (tem que pagar pedágio no valor de $4 dólares – único pedágico existente no estado de Michigan). Esta ponte pênsil  foi inaugurada em 1957 (antes a travessia era feita de balsa) e é a quinta ponte suspensa mais longa do mundo com aproximadamente 8 quilometros de comprimento.

97348-004-A38AB98B

Mackinac Bridge photo: britannica.com

Mais informações sobre a Mackinac Bridge aqui.

E lá vamos nós fazer o nosso

E lá vamos nós fazer o nosso “batismo” e atravessar a Mackinac Bridge rumo a Upper península.

IMG_0104

Pedágio na chegada na Upper Península.

O nosso objetivo nessa nossa primeira viagem para a Upper península era conhecer as famosas Pictured Rocks na cidade de Munising O tempo de viagem entre Detroit e Munising na Upper península é de aproximadamente 7 horas de carro. Cabe lembrar que depois que se cruza a Mackinac Bridge e pega a estrada em direção a Munising, a estrada é de mão simples mas bem conservada. É recomendado estar com o tanque do carro cheio e com comidinhas a disposição já que as opções de paradas neste trajeto são poucas.

Chegamos em Munising bem a noite e fomos direto para o hotel. Ficamos hospedados no Americiin de Munising, um hotel bom com uma boa relação custo/beneficio e tem a vantagem de ter piscina aquecida coberta, o que é uma boa opção para as crianças no final de um dia inteiro de passeio e que ainda tem energia demais para ficarem trancadas do quarto do hotel. Na alta temporada que vai do mês de maio ao inicio do mês de setembro é aconselhado fazer reservas antecipadas, pois os hotéis lotam. Existem também diversas opções de campingrounds para quem quiser entrar no clima rústico da região.

Campingrounds em Munising clique aqui.

IMG_0080

Centrinho de Munising

Munising é uma cidade pequenininha com aproximadamente 2,500 habitantes e que vive praticamente do turismo. A grande atração de Munising são as famosas Pictured Rocks, que são formações rochosas que beiram a costa voltada para o Lake Superior e as dezenas de cachoeiras espalhadas pela região.

IMG_0081

Munising com o Lake superior ao fundo.

No dia seguinte, após dar uma checada na previsão do tempo, resolvemos fazer o passeio para ver as Pictured Rocks logo pela manhã. Todo mundo fala que o passeio no final da tarde é muito mais bonito pois os raios do sol batem nas rochas enaltecendo as cores, mas como a previsão era de chuva para o fim do dia, resolvemos não arriscar. Bem no centro de Munising onde fica o píer com os barcos tem o local onde vende os tiquetes para o passeios e que também é uma loja de souviniers. Resolvemos fazer o passeio nos barcos tradicionais, os tiquetes para adultos custaram $37 dólares e para criança $10 dólares. Tem também passeios com jet-boats e de caiaque, que deve ser o máximo mas acabamos não fazendo pois choveu no dia seguinte.

IMG_0082

Vale muito a pena o passeio, ele dura cerca de 2 horas e a cor da água do Lake Superior e as formações rochosas são muito bonitas.

Pictured Rocks Cruises information

IMG_0087

Pictured Rocks

Pictured Rocks

Pictured Rocks

Pictured Rocks

Pictured Rocks

Pictured Rocks

Pictured Rocks

DSCN0634

Passeio de caiaque

DSCN0660

Pictured Rocks

DCIM101GOPRO

Quando o sol aparecia, a cor da água ficava em um tom verde-esmeralda lindo!!

DSCN0737

Pictured Rocks com o barco que fizemos o passeio vista do alto.

Mais informações sobre Pictured Rocks aqui.

Munising também é conhecida or inúmeras trilhas e cachoeiras. A grande maioria delas é de facil acesso e bem sinalizadas.

Para ver as cachoeiras de Munising, clique aqui.

DSCN0717

Uma das inúmeras cachoeiras de Munising

Este é um pedacinho da nossa viagem para a Upper Península, em breve mais posts sobre esta viagem!!

Rumo a UP North! Parte 2 clique aqui.

Mais informações sobre Munising aqui.

Gostou do post? Clica na estrelinha de curtir aqui em baixo, isso ajuda a divulgar o blog!

Abraços

Juliana