Arquivo da categoria: A vida nos EUA

Sleeping Bear Dunes National Lakeshore – Glen Arbor

Sleeping Bear dunes (foto: @moraranoseua)

Diferente dos anos anteriores, desta vez planejamos com antecedência e viemos passar a semana do feriado de 4 de julho aqui em Glen Arbor, o nosso cantinho de verão preferido em Michigan.

A cidade de Glen Arbor fica localizada na Leelanau península, na área conhecida como Northern Michigan  da lower península e dentro do Sleeping Bear Dunes National Lakeshore. É uma cidade pequenininha com estilo praiano com opção de restaurantes e lojas bacanas e um dos pontos de partida para um dos pontos turísticos mais famosos de Michigan o Sleeping Bear Dunes National Lakeshore (parque nacional de 71,000 acres que se extende desde a cidade de Empire até Leland).

Sleeping Bear Dunes Nacional lakeshore (foto: @moraranoseua)

Por do sol em Glen Arbor (foto: @moraranoseua)

Toda a região é repleta de trilhas tanto para caminhadas como para bikes e é o lugar perfeito para quem gosta de estar em contato com a natureza e fugir das cidades maiores. O Visitor Center do parque fica na cidade de Empire mas você vai conseguir informação e mapas em qualquer uma das cidadezinhas que fazem parte do complexo de Sleeping Bear.

Lake Michigan Overlook (foto @morarnoseua)

Para visitar a região das dunas, trilhas e praias que pertencem ao Sleeping Bear Dunes National Lakeshore é necessário pagar uma taxa de $20 dólares por carro que é válida por uma semana. Esta é a quarta vez que visitamos as famosas dunas e a vista do lago Michigan lá de cima  (Dune Overlook) sempre tira o meu fôlego! Lembrem-se de não passar reto pela entrada da estradinha que chega até o topo da duna (tem placas de sinalização com o nome Stocking Scenic Drive) além disso,  quando comprar o ingresso do parque, você irá receber um jornal com informações da região e um mapa do local, não tem como errar!

img_4285

Este mapa está dentro do jornal que você recebe ao pagar a  taxa para poder entrar na área do parque

Dune Overlook (foto: @morarnoseua)

Para quem gosta encarar uma subida de duna, outra opção é o Dune Climb, outro ponto bastante visitado. Você terá uma vista bem bacana do Glen Lake lá de cima (se olhar para trás), mas você não vai conseguir ter uma vista do lago Michigan depois de encarar a primeira subida. Do topo é ainda preciso encarar uma trilha para chegar no mirante. Aconselho a ir de tênis, boné, levar água e muito protetor solar. Não recomendo ir com crianças pequenas já que essa trilha é considerada de nível avançado e tem 3,5 milhas.

Foto – @morarmoseua

Nossa primeira vez em Sleeping Bear (clique aqui)

img_4284-1

Principais atracoes de Sleeping Bear (foto do jornal que recebemos ao pagar a taxa para entrar no parque)

Fizemos a reserva no hotel no começo de Maio, já que a opção hoteleira por aqui é pequena, principalmente se você pretende ter acesso ao Glen Lake. Como das outras vezes que estivemos aqui ficamos hospedados no Maple Lane Resort que tem uma prainha privativa no Little Glen Lake. Além do acesso ao lago, eles oferecem a opção de quarto do tipo kitchenette que tem uma mini cozinha, o que é ideal para preparar comida para as crianças. Na praia eles disponibilizam caiaque e paddle para os hóspedes e píer.

O hotel é simples mas bem agradável com quadra de areia , campfire para fazer s’mores a noite, um pequeno playground (poderia ser melhor), mesas de pic-nic e churrasqueiras espalhadas pelo gramado . O café da manha oferecido na diária é bem fraquinho e é servido na cozinha comunitária do hotel (Gathering room).

Para nós o grande atrativo de ficar hospedado nesse hotel/motel e não em algum outro hotel da cidade  é o acesso ao Glen Lake, lago cristalino, com fundo de areia, raso e água em temperatura agradável para as crianças. Ótimo para passar o dia todo andando de barco, fazendo wakeboard ou simplesmente se refrescando e tomando sol!

img_3377

Motel Maple Lane Resort

img_3360

Área externa do hotel em que ficamos hospedados

img_3554

Prainha que pertence ao hotel que ficamos no Glen Lake (foto: @moraranoseua)

Para quem não vai ficar hospedado na margem do Glen lake (o lago possui 2 lados separados por uma ponte, o lado maior é chamado de Big Glen lake e o menor de Little Glen lake), ele possui três acessos públicos. Um é exclusivo para colocar e retirar os barcos do lago (boat acess). Tem um acesso pela picnic área no little Glen lake quase em frente ao Dune Climb e um outro no big Glen lake em uma área chamada founders picnic area com área para picnic, playground, acesso para caiaque, pier e uma prainha com faixa de areia estreita.

Glen Lake – olha a cor da água desse lago! (Foto:@morarnoseua)

Glen Lake é perfeito para as crianças! (Foto:@morarnoseua)

Em Glen Arbor a única opção de campground é o D.H. Campground que é do tipo “rústico”. Na beira do Glen lake tem algumas opções de “hotel” (entende-se por motel tipo o que a gente vê nos filmes americanos) ou cabanas e há também as opções de casas de veraneio para locação. Na cidade tem opções de bed&breakfast e mais alguns hotéis pequenos. Tudo lota nesta época do ano, então a reserva tem que ser feita com antecedência.

Opções de camping em Sleeping Bear

Para encontrar hotéis em Glen Arbor e região é so fazer uma busca em sites como o Hotels.com ou Expedia.com. Para locação de cabanas/cottages tem opções no Airbnb e no Trivago, o que vale muito a pena quando vai um grupo de amigos.

Desta vez, como tínhamos mais dias para explorar a região, fizemos passeios novos como navegar de caiaque pelo Crystal River. A empresa que faz o passeio fica bem no centrinho de Glen Arbor e se chama Crystal River Outfitters   e eles te levam de van até o ponto de saída dos caiques. Recomendo ligar antes ou ir até o local pessoalmente para fazer a reserva dos caiaques já que a procura é grande. O passeio é super tranquilo para ir com crianças pois o rio é raso, de água cristalina e de correnteza bem suave e o trajeto é feito a favor da correnteza então não precisa remar muito.

Crystal River (foto: @moraranoseua)

Crystal River – olha a agua cristalina deste rio! (foto: @moraranoseua)

O Leo foi em um caiaque duplo ($58 dólares) com o Theo de 9 anos e eu fui no caique simples (R$36 dólares) com o Thomas de 2 anos no meu colo. Por estarmos com as crianças optamos pelo trajeto curto que durou uma hora e meia, mas no final o Thomas já estava meio cansado e foi para o caique no colo do pai para mudar um pouco. Quem estiver sem criança ou com crianças maiores pode fazer o trajeto completo que dura aproximadamente 3 horas dependendo da intensidade das remadas.

Crystal River(foto: @moraranoseua)

Caiaque no Crystal River (foto: @moraranoseua)

Outro lugar novo que conhecemos dessa vez foi Glen Haven, uma vilinha histórica entre Glen Arbor e a Dune Climb. A praia de lá tem faixa de areia estreita mas é ótima para tomar sol e para as crianças brincarem, mas como toda praia voltada para o lago Michigan a água é gelada mesmo no verão.  Tem um museu marítimo (pequeno mas bem legal para as crianças) e uma lojinha antiga onde é possível obter o carimbo do Sleeping Bear National Park no passaporte (você pode estampar os carimbos de todos os parques nacionais no seu passaporte como marco da sua visita nesses lugares). Como não estávamos com os passaportes, o Theo carimbou no Summer Jounal que ele está escrevendo durante as férias.  E para os pais e mães de plantão, do lado dessa loja tem um banheiro público com fraldário, espaçoso e limpíssimo, então podem curtir a praia de lá tranquilos com a criançada.

Praia em Glen Haven(foto: @moraranoseua)

Também vistamos a cidade de Leland, que fica a meia hora ao norte de Glen Arbor. É outra cidade gracinha de Michigan e de onde saem os ferrys para visitar as ilhas de Manitou. A cidade é famosa pela vilinha histórica de Fishtown, onde hoje em dia só restou uma peixaria as outras casinhas se transformaram em lojinhas e restaurantes charmosos na beira do rio que desagua do lago Michigan. Não exploramos muito a cidade, ficamos mais na região da Fishtown e no centrinho onde tem diversas lojinhas típicas de cidade de praia.

Fishtown em Leland (foto: @moraranoseua)

Leland (foto: @moraranoseua)

Pescaria em Fishtown (foto: @moraranoseua)

(Foto:@morarnoseua)

Para quem tiver tempo para explorar mais a região de Leland, recomendo ir até Northport, lá na pontinha mais ao norte de Leelanau (tem um State Park lá) e voltar pela costa leste da península explorando as várias vinícolas e cervejarias que tem na região até chegar em Traverse City.

No trajeto entre Glen Arbor e Leland pela M22 você passa por um outro ponto bem conhecido chamado Pyramid Point Overlook. Tentamos passar lá na volta mas pegamos a trilha errada com o carro que foi pela parte de baixo em direção as praias. Mas nenhum passeio é dado como perdido, resolvemos parar e lá fui eu com o Theo dar uma espiada na praia que era bem bacana, de pedras e mais selvagem (me lembrou as praias de Munisng na Upper Península), mas o melhor foi atravessar a pé um rio para chegar na praia, o que para o Theo foi mais legal que ver a praia em si.

.

travessia de rio para chegar na praia

Praia na região do  Pyramid Point com a ilha de North Manitou ao fundo

Mas Voltando ao Pyramid Point, pelas fotos que eu vi a vista de lá é bem parecida com o Dune Overlook e a trilha para se chegar lá é tranquila. Da próxima vez vou analisar direito o  mapa e pegar o caminho certo e  tentar conhecer esse outro ponto do Sleeping Bear Dunes National Lakeshore.

Outra área que ainda não exploramos é a região de Empire, que é aonde fica o visitor Center (headquarters) do Sleeping Bear Dunes Nacional Lakeshore. Dizem que o por-do-sol nas praias de lá são espectaculares  e tem outra trilha famosa com vista incrível para o lago Michigan chamada Empire Bluff Trail.

Dica de roteiro na Leelanau peninsula

Mais sobre as praias de Michigan clique aqui

Sobre a alimentação durante a viagem, tenho que confessar que não aguento mais comer comida americana, [e sempre a mesma coisa, tem tudo o mesmo gosto com algumas poucas exceções. Como no nosso quarto do hotel tinha cozinha, fazíamos as nossas próprias comidas, coisas simples que criança gosta como macarronada, arroz com franguinho desfiado, noite do hamburger, sanduiches naturais, muitas frutas e por ai vai.

Riverfront Pizza em Glen Arbor

Saímos para comer fora apenas dois dias. Comemos uma pizza muito boa (para os padrões americanos) no Riverfront Pizza. O lugar fica na beira do rio em que fizemos o caiaque, é minúsculo e funciona no esquema delivery, mas tem algumas poucas mesas disponíveis na beira do rio. E no dia de virmos embora almoçamos no tradicional Boone Docks, um restaurante com bar e lojinha que ocupa toda a esquina da rua principal da cidade bem em frente ao único mercado da região, o Andersons Glen Arbor Market. Um outro restaurante bem  típico da região é o Cherry Republic famoso pelas tortas de cereja e o Arts Tavern.   E para fechar, o melhor sorvete da cidade para o nosso paladar é o The Pine Cone, bem ali na rua principal.

Comeco da noite do feriado de 4th July (Foto:@morarnoseua)

Sei que este post saiu meio tarde já que metade do verão de Michigan já passou, mas ainda esta em tempo para quem não conhece, ir para a região do Sleeping Bear e vale lembrar que no outono, mesmo já estando mais frio a paisagem na região é espetacular!

Um grande abraço a todos

Juliana

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog (citar a fonte) mas não copie e cole.

Anúncios

Warren Sand Dunes State Park – Michigan

Nosso cantinho no camping (foto @morarnoseua)

 Na semana passada abrimos a nossa temporada de camping aqui em Michigan! Já escrevi aqui no blog que gostamos bastante de acampar, principalmente porque aqui a infraestrutura dos campings são muitos boas, o ambiente é bem família (bebidas alcoólicas são proibidas dentro dos states parks), as crianças adoram e a gente sai completamente da rotina. Dá um trabalho danado sim, pois com criança a gente tem que levar praticamente a casa no bagageiro do carro, mas mesmo assim vale muito a pena e é a maneira mais econômica para curtir o verão de Michigan.

Warren Sand Dunes State Park (foto @morarnoseua)

Este nosso primeiro camping foi em lugar que ainda não conhecíamos e que nos surpreendeu muito! Ficamos no Warren Sand Dunes State Park, que fica localizado ao sul da costa oeste do estado de Michigan. O lugar é lindo e fica bem as margens do lago Michigan que é praticamente um mar de água doce. Este State park fica a 2 horas e 50 minutos de onde moramos e fomos para passar apenas o final de semana, mas para acampar compensa mesmo ficar pelo menos duas diárias. O ideal é entrar na sexta e sair no domingo. Muitos campgrounds nem aceitam reservas inferiores a duas noites.

Warren Sand Dunes State Park (foto @morarnoseua)

Na área da praia tem um bolsão de estacionamento bem grande  com área de apoio com banheiros limpos (tem trocador para bebes) e ducha externa para tirar a areia. Tem também dois quiosques  de praia (coisa rara aqui em Michigan) que vendem sorvete, hot-dog e guloseimas. Ainda na área do estacionamento, haviam dois food trucks vendendo tacos e hamburger, mas não sei se eles estão sempre lá.

Warren Sand Dunes State Park (foto @morarnoseua)

Chegamos no sábado e o tempo estava muito bom, com sol mas não tão calor. A praia tem faixa de areia grande, a areia é fina com algumas pedras e água cristalina (e gelada claro!). Mesmo com o vento, que acaba formando ondas no lago, as crianças se divertiram muito e passamos a tarde toda na praia! Outro atrativo dessa praia são dunas  que se formam e dá para subir no topo delas para apreciar a vista lá de cima. O por-do-sol visto de lá deve ser lindo, mas como agora est escurecendo tarde por aqui (o por-do-sol é por volta das nove e meia da noite) voltamos para a área do campground antes de começar a escurecer.

A área de camping fica localizada em uma área bem arborizada desse state park. Logo que você chega você tem que estacionar o carro e fazer a sua registration no office logo na entrada (nesta época do ano os campings lotam, então você já tem que ter a sua reserva feita online). A recepcionista irá verificar a sua reserva, solicitar a placa do veículo (tem que ter o recreation passport dos states parks), te passar algumas informações básicas e te entregar um papel que tem que ficar no seu carro, pois só pode entrar na área do campground quem esta hospedado lá dentro (visitantes que vem apenas para passar o dia na praia não podem entrar na área do camping, o que torna acampar por aqui ainda mais seguro).

Warren Sand Dunes State Park (foto @morarnoseua)

A  insfrestrurada era ótima com banheiros femininos e masculinos espaçosos, área de ducha para tomar banho individuais e separada dos banheiros, o que é ótimo para dar banho nas crianças. A água é quente e com bastante pressão. Logo na entrada do campground tem uma lojinha de conveniência que vende além de bugigangas lenha e gelo.  Todos os sites (que é o espaço reservado para você montar a sua barraca) tem mesa de pic-nic, fire-pit e ponto de energia elétrica, porém torneira com água potável apenas em alguns pontos. A parte ruim é que não tinha área de pia comunitária para lavar a louça suja e por motivos óbvios não se pode lavar louça suja de comida nas torneiras disponíveis, então a dica é levar tudo o mais descartável possível e bastante papel toalha para poder dar aquela limpada nas panelinhas e frigideiras.

Sempre quando reservamos o nosso espaço no camping gosto de ficar próxima (mas não do lado) da área dos banheiros por causa das crianças e nesse também tinha um playground pertinho da gente, além de uma área com uma tenda e um motorhome chamada “host-spot”, onde tinha vários livros para crianças e adultos emprestarem para ler durante a sua estadia no camping, além de livros para doação. No sábado de manhã também estavam servindo café por lá.

Para quem gosta de fazer trilhas, tem diversas trilhas pelo state park e deve ser muito legal faze-las, mas com crianças pequenas não arriscamos. Como área do camping não fica perto da praia, fomos de carro até lá (aproximadamente uma milha), mas quem curte uma aventura da para ir pelas trilhas pelas dunas.

No domingo, a idéia era levantar acampamento e passear pela regiáo de St Joseph que ainda não conhecemos, mas optamos em voltar para a praia do parque  e curtir a companhia dos amigos que estavam  no acampamento conosco. Devido a chuva forte que caiu durante a madrugada, a cor da água da praia não estava mais tão azul, porém estava menos gelada e tinha bastante pedrinhas  na areia, mas o sol saiu ficamos por lá até as 4 horas da tarde, antes de voltarmos para casa. As crianças aproveitaram muito!

Como já falei em post anterior, para fazer as reservas nos campings dos parques estaduais é só você entrar no site do DNR, super simples e fácil. Em alguns campings privados dá para reservar pelo site já em outros tem que ligar no local.

Tem muitas pessoas entrando em contato pelo instagram (@morarnoseua) pedindo dicas de viagens durante o verão aqui em Michigan. Como temos mais quatro campings reservados para este verão, pretendo compartilhar aqui com vocês a nossa experiência em cada um deles e deixar várias dicas! A primeira delas é que se você pretende acampar neste verão, corre para fazer a sua reserva pois já está praticamente tudo lotado, principalmente os campings dos States Parks, mas ainda é possível encontrar disponibilidades nos campings privados.

Abaixo segue links para os posts que já escrevi sobre acampar nos EUA.

Como é acampar nos EUA

Praias de Michigan

Silver Lake and Grand Haven

Abraços

Juliana Fontes

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog (citar a fonte) mas não copie e cole.

 

Comunidade Brasileira em Michigan

Nos últimos 5 anos, o número de famílias brasileiras que chegaram para morar aqui no estado de Michigan aumentou bastante, principalmente devido a crise  no Brasil. As gigantes americanas da industria automobilística como a Ford e a GM e as empresas fornecedoras das montadoras como Bosch, Malhe, TRW, foram as responsáveis por trazerem muitos funcionários qualificados do Brasil para cá nesses ultimos anos.

Existem várias comunidades brasileiras espalhadas por Michigan principalmente entorno das cidades onde ficam as montadoras citadas acima. Cidades como Troy, Rochester, Auburn Hills, Warren, Shelby, Novi, Canton,Farmington Hills e Ann Arbor tem muitas famílias brasileiras residentes. Também tem comunidades menores na área de Midland, Muskegon e Kalamazoo.

O meio mais fácil de entrar em contato com os brasileiros aqui de Michigan , obter informações e esclarecer dúvidas é através das comunidades no Facebook.

Os brasileiros daqui são bem ativos na rede social e estão sempre dispostos a esclarecer dúvidas, dar dicas e recomendações. Segue abaixo as principais comunidades e grupos de brasileiros em Michigan.

img_1795-1img_1794-1img_1796-1img_1793-1img_1790-1img_1789-1img_1788-1img_1791-1img_1797-1

-Artigo Michigan/Brazil Trade profile

Tentei achar dados oficiais sobre o número de brasileiros que hoje moram aqui em Michigan, mas não consegui achar nada na internet. Se alguém aqui tiver algum dado a respeito por favor deixe aqui nos comentários do post.

Abracos

Juliana

 

As Praias de Michigan

IMG_1769

Glen Lake -MI (foto: @morarnoseua)

E foi dada a largada para o verão de Michigan! Depois de um longo inverno temos praticamente 4 meses para passear, desbravar e conhecer os lugares lindos que temos aqui em Michigan os quais infelizmente ficam praticamente inacessíveis durante os meses de inverno, principalmente as praias (de lago, mas para quem não tem mar por perto está valendo).

A primeira dica que eu dou é que se você pretende passar o final de semana ou mais dias nesses lugares, você deve fazer a reserva dos hotéis agora! Michigan tem uma rede hoteleira bem fraquinha e tudo lota muito rápido, até os campingrounds para quem gosta de acampar.

Alguns desses lugares nós já estivemos algumas vezes, então ao invés de escrever tudo de novo eu vou deixar um link para o post já existente aqui no blog sobre o lugar.

Em cidades maiores como Traverse e Petoskey acontece agora no verão as “restaurant week” onde você encontra uma boa relação custo/benefício para jantar uma comida diferenciada nos restaurantes participantes (checar calendário de eventos das cidades). Nas demais cidadezinhas as opções de restaurantes não fogem muito daquele padrão de comida americana “tudo com o mesmo gosto” (sorry american friends, but it’s true).

E não se esqueçam do protetor solar, do repelente e de comidinhas para aquela “farofa” básica na praia, já que aqui não tem barraquinhas de praia como no Brasil.

MACKINAC ISLAND

Mackinac Island (foto: @morarnoseua)

Na minha opinião esta pequena ilha situada entre a LP e a UP aqui de Michigan merece o primeiro lugar. Primeiro pela sua localização, já que como não é permitido carro na ilha o único meio de se chegar até ela é de ferry, o que já é um passeio diferente. Segundo pelo meio de locomoção ser apenas a pé, de bicicleta ou cavalos. Terceiro, a arquitetura das casas é linda e tem toda uma história sobre o povoamento desta pequena ilha e por último ela é linda, as praias mesmo que de pedras, fazem a alegria das crianças além de ter várias trilhas repletas de natureza! E aproveitem para passear por Mackinaw City também e cruzar a Macknac bridge.

Link sobre o nosso passeio a Mackinac island aqui.

TRAVERSE CITY

Para mim é a cidade de “praia” mais badalada de Michigan. Tem  inúmeras opções de passeios e gastronomia. Até vinícolas tem por lá. Se estiver hospedado em Traverse indico fazer um bate-volta na cidade de Charlovoix, que é uma graça e conhecer a região da Leelanau península.

Link para post sobre Traverse City aqui.

SLEEPING BEAR DUNNES

Sleeping Bear (foto: @morarnoseua)

Um dos “must see” de Michigan e que já foi eleito um dos lugares mais bonitos dos EUA. A vista do Lake Michigan do alto das dunas é de tirar o fôlego e o melhor é que o acesso é fácil, então é tranquilo para ir com as crianças. Do ladinho de sleeping bear fica a cidadezinha de Glen Arbor casa do famoso Glen lake, lago de água cristalina e de cor azul incrível (pois o fundo dele é composto da areia que vem das dunas), ótimo para crianças, mas como ele é um lago privado você tem que ter reserva em um dos poucos hotéis que dá acesso à ele ou locar uma casa para a temporada nas margens do lago.

Glen Lake – MI (foto: @morarnoseua)

PETOSKEY

Petoskey (foto: @morarnoseua)

Outra cidade de “praia” gostosa de passear com a família no verão para curtir a praia e procurar pelas famosas Petoskey stones com as crianças. Ponto de partida para o famoso “tunnel of trees” e para a pequena vila de Harbor Springs.

Link para o post da nosso viagem para Petoskey no outono aqui

SILVER LAKE SAND DUNNES

Silver Lake – MI (foto: @morarnoseua)

Está aí um lugar que sempre vamos. Tem um camping muito legal para se ficar com as crianças (que tem piscina) o qual fica bem no centrinho da cidade (O Yogi Bear Jellystone), então dá para ir passar a pé com a criançada. Tem uma prainha do state park ótima para crianças com playground, banheiros e um dos pores de sol mais lindos de Michigan! E para os que gostam de emoção tem os passeios de 4X4 nas dunas.

Se estiverem em mais amigos vale a pena alugar um barco para passear pelo Silver Lake e atracar do outro lado, na base das dunas.

Silver Lake- MI (foto: @morarnoseua)

Link para Silver Lake aqui

MUNISING

Munising – MI (foto: @morarnoseua)

Se a sua intenção é se aventurar pela Upper Península está cidade é a casa das Pictured Rocks e da famosa rota das cachoeiras em Michigan. Já estivemos lá e tem post completo no link abaixo.

Link para o post do nosso passeio para a Upper Peninsula aqui.

Pictured Rocks (foto: @morarnoseua)

LUDINGTON STATE PARK

Ludington State Park (foto: google)

Para mim um dos states parks mais bacanas de Michigan que reúne em um lugar só lago, rio e “mar”. Este parque lota no verão e se você pretende acampar nele as reservas tem que ser feitas em abril. Mas se não consegui fazer reserva da para se hospedar na cidade e passar o dia no parque. Cabe lembrar que para entrar nos states parks você tem que ter o selo na placa do carro (recreation passport) que voce solicita na Secretary of States.

GRAND HAVEN, SOUTH HAVEN e SAINT JOSEPH

Grand Haven (foto: @morarnoseua)

Cidades de praia bem parecidas margeadas pelo lago Michigan. Por estarem mais ao sul a água costuma ser menos fria se comparada as praias mais ao norte. Os hotéis lotam no verão, então façam a reserva com antecedência.

TURNIP ROCK

turnip Rock (Foto- gloogle)

Ainda não estivemos lá mas é um dos cartões postais de Michigan. Fica na cidade de Port Austin no Lake Huron, ali bem no “polegar” do mapa de Michigan. O único jeito de ver a turnip rock é de canoa, então é mais indicado para pessoas com filhos maiores.

HOLLAND

Holland -MI

Outra cidade gostosa para se passear com a família, fica pertinho da praia e que hospeda o famoso festival de tulipas no mês de Maio.

Espero que tenham gostado das dicas! Sei que ando sumida por aqui, mas vou tentar postar mais coisas agora no verão, principalmente dicas de passeios já que temos bastante coisas legais programadas. Sigam o blog no Instagram, estou mais ativa por lá @morarnoseua

Moradores de Michigan, se tiverem mais dicas de praias por aqui deixem nos comentários! Adoro quando vocês interagem com o blog, leio tudo!!

Abraços

Juliana

Solicitar passaporte brasileiro nos EUA

imagem passporte

*Post atualizado em 9 de março de 2018

Dependendo do tempo em que você mora aqui nos EUA, uma hora o seu passaporte brasileiro vai vencer e você terá que renová-lo, já que não dá para ficar em um país no qual você não é cidadão com o passaporte vencido. Normalmente é mais fácil aproveitar uma visita ao Brasil para fazer a renovação do passaporte (que agora é válido por 10 anos), porém as vezes não dá para ir para o Brasil fazer essa renovação, neste caso temos que nos dirigir a um dos Consulados Brasileiros que tem aqui nos EUA.

Aqui no estado de Michigan não temos nenhum Consulado Brasileiro, as vezes o consulado itinerante passa por aqui, mas como ele não venho para Michigan desde que chegamos, tivemos que ir até a cidade de Chicago, no estado vizinho de Illinois, onde está localizado o Consulado Brasileiro mais próximo, para fazer a renovação do passaporte.

Você não é obrigado a ir até o consulado para solicitar um novo passaporte, esta solicitação pode ser feita pelos correios, porém a data de validade do passaporte vai ser de apenas 3 anos e não 5 anos.

O site do Consulado Brasileiro em Chicago tem todas as informações necessárias e é bem explicativo, e minhas dúvidas foram respondidas rapidamente via email (passaporte.chicago@itamaraty.gov.br).

No site você terá que preencher o formulário de requerimento de passaporte comum (RER) e enviar os documentos solicitados digitalizados (não se esqueça de anotar o seu código de recuperação)

Site do Consulado Brasileiro de Chicago aqui.

Não é necessário agendar o atendimento. O atendimento é feito por ordem de chegada e todos os documentos necessários tem que estar em mãos para não perder a viagem. Se você optar em solicitar o seu passaporte no balcão do consulado, não é necessário retornar em 15 dias para retirá-lo, a entrega pode ser realizada via correio, não se esqueça de levar um envelope express do post-office pré-selado, endereçado e com treaking number no dia da solicitação para o retorno dos passaportes (o passaporte antigo fica retido no Consulado, mesmo ainda válido e com o seu visto americano nele, ele retorna para você junto com o novo passaporte).

Também é necessário levar um “Money Order” emitido na própria agência dos correios no valor de $120,00 dólares para pagar pelo novo passaporte (para menores o valor é de $40 dólares para crianças de 0-4 anos e de $80,00 dólares para de 5-18 anos). O Consulado brasileiro não aceita dinheiro, cheques pessoais ou cartão de crédito.

Optamos de ir no domingo para Chicago para fazer a solicitação do passaporte na segunda-feira pela manha no consulado. Ficamos hospedados bem no centro próximo ao Consulado. Os hotéis de Chicago são caros e os do centro mais caros ainda, mas como entramos no domingo conseguimos uma boa tarifa no booking.com. A vantagem de ficarmos hospedados praticamente ao lado do consulado foi que economizamos em estacionamento (pagamos somente uma diária do estacionamento do hotel) e evitamos pegar o congestionamento de Chicago caso ficássemos hospedados afastados do centro.

Como estávamos com todos os documentos solicitados em mãos, o processo dentro do Consulado Brasileiro foi bem rápido, os atendentes não são exemplos de simpatia mas efetuaram o trabalho com eficiência e em 15 dias úteis o novo passaporte brasileiro chegou via correios em nossa casa com o passaporte antigo junto.

Documentos Necessários

– Passaporte anterior
– Recibo de Entrega de Requerimento – RER

– Comprovante da identidade e naturalidade

– Comprovante da nacionalidade

Certidão de Quitação Eleitoral(http://www.tse.jus.br/eleitor/certidoes/certidao-de-quitacao-eleitoral)  *Não é mais necessário apresentar a quitação eleitoral

*justificativa eleitoral de brasileiros no exterior

– Alistamento Militar, para homens entre 18 e 45 anos de idade
 – Uma Foto recente, no tamanho 2”x2” (tamanho passaporte americano) – Dica: para quem é sócio do COSTCO eles tiram foto para passaporte por $5 dólares 4 fotos! Em qualquer outro lugar como na CVS, eles cobram mais de $30 dólares para tirar foto de passaporte!

– Taxa consular (Money Order expedido pelo correios americano USPS)

exemplo do Money Order

Solicitação via CORREIOS
Agora o prazo de validade do passaporte solicitado via correios  é o mesmo se solicitado pessoalmente (10 anos para maiores de 18 anos e 5 anos para menores de idade). Os documentos necessários são os mesmos descritos acima com a diferença que como o formulário de solicitação RER não será assinado na frente do agente consular é necessário solicitar a assinatura e o carimbo de um notário público no formulário.
É necessário colocar TODOS os documentos ORIGINAIS solicitados, inclusive o Money Ordem, dentro de um envelope do USPS Express (selado e com treaking number). Colocar ainda DENTRO deste envelope um OUTRO envelope USPS express também selado, com treaking number e endereçado para você como envelope de retorno para que o Consulado possa devolver os seus documentos junto com o novo passaporte (pode dobrar este envelope vazio para que ele caiba dentro do primeiro envelope).
Para MENORES de idade
Além de todos os documentos acima, é necessário anexar a Autorização para solicitação de passaporte para menores (está disponível no site do consulado), a qual deve ser assinada por ambos os pais e ter a assinatura e o carimbo de um notário público. Se estiver solicitando pelo correio, tanto esta Autorização como a RER, além da assinatura e carimbo do notário DEVEM ter o Certificate The Authorithy (Appostille) que é emitido pela Secretary of State. É só levar esses dois documentos já assinados pelo notário e solicitar o Certificado (custa $1 dólar cada).
Abraços

Juliana

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog mas não copie e cole

4 anos nos EUA e o futuro do blog

IMG_6176

Outono de Michigan 2017 – foto @morarnoseua

 

Hoje, dia 10 de novembro de 2017 faz exatamente 4 anos que deixamos a nossa vida redondinha, casa legal, cidade bacana, emprego, familiares e amigos para começar tudo do zero em outro país. Olho para traz e parece que foi ontem, como passou rápido! Quanta coisa aconteceu, o quanto que aprendemos, desafios, saudades…e no meio disso tudo este blog que me colocou em contato com tanta gente na mesma situação que nós e que fez o meu caminho se cruzar com de pessoas novas (algumas que tive o prazer de conhecer pessoalmente e que se tornaram minhas amigas),  que chegaram aqui em Michigan alguns anos depois da gente mas que encontram aqui, algumas respostas e caminhos para as dúvidas tão frequentes durante este momento de mudança e adaptação.

Quatro anos se passaram desde que escrevi o primeiro post aqui e uma das perguntas que eu mais recebo hoje é: “Você ainda escreve o blog Juliana?” ” O blog acabou?” e a resposta é NÃO, o blog não acabou! O que acontece é que desde que o meu segundo filho nasceu eu não consegui ainda me organizar para reservar um tempo para sentar e compartilhar as nossas experiências aqui no blog e outra, eu acho que não tenho mais tanta novidades para escrever aqui, depois de 4 anos a vida já entrou em uma rotina. A finalidade principal quando iniciei o blog, era compartilhar a nossas experiência durante a fase desta grande mudança de vida que tivemos há quatro anos atrás. Escrevi muito sobre o nosso período de adaptação, as coisas novas que aprendemos, compartilhei dicas praticas  como tirar a carteira de motorista, locação de casa, as escolas nos EUA entre outras coisas. Todos essas informações estão aqui no blog e sei que continuam ajudando muitos recém chegados por aqui.

Ultimamente, o tempo que eu tenho para o blog esta sendo dedicado mais para a página do blog no Instagram. Lá eu consigo juntar duas coisas que eu gosto muito que é a fotografia e o escrever. Então para você que sente falta de posts mais frequentes por aqui ou que quer saber como anda a nossa rotina depois de 4 anos em terras americanas,  comece a nos seguir no Instagram @morarnoseua. Pelo menos 1 vez por semana eu posto alguma foto por lá!

Mas aproveitando que eu estou aqui, vou falar um pouquinho de como foram esses últimos meses. Durante o verão estivemos com a casa cheia! Recebi praticamente toda a minha família: mãe, pai, irmã, sobrinhas, irmão, cunhada e até o meu avô de 91 anos venho para cá!

Minha mãe e meu avô ficaram 2 meses aqui conosco durante o verão o que foi muito bom! Para nós que moramos longe de todos é uma delícia ter a família junto com a gente! Como estávamos com visita praticamente durante todo o verão não fomos viajar por Michigan como de costume. Acampamos apenas uma vez e fomos pela primeira vez no parque aquático Cedar Point que fica no estado vizinho de Ohio.

As aulas do Theo começaram em Setembro e agora ele é um 3th Grade! Ele já está bem adaptado na nova escola (mudamos de casa no ano passado, então ele teve que mudar de escola novamente) e  já tem vários amiguinhos. Brincou muito na rua durante o verão todo já que nesse novo bairro em que moramos tem muitas crianças e todas vão juntas no mesmo ônibus para escola.

Ahh! Teve show do Bon Jovi e U2 também!

Mal começaram as aulas e tivemos que ir para o Brasil renovar (de novo) o nosso visto H1b. Tem post no blog explicando como é a renovação. O Visto H1b pode ser renovado por no máximo 2 vezes pois a validade dele é no máximo de 6 anos. Aproveitamos a viagem  para ver a outra parte da família que não venho para os EUA este ano e finalmente conseguimos fazer uma viagem a dois depois de 4 anos (pois tinha as avós para cuidar das crianças).

Fomos comemorar os nosso 10 anos de casados em Fernando de Noronha! Que lugar lindo! Merece todos os clichês!! E olha que já viajamos para lugares lindíssimos! Sim, é um destino caro, por isso nunca fomos enquanto morávamos no Brasil. Sempre quando colocávamos na ponta do lápis os custos para se viajar para Noronha, optávamos em viajar para fora do Brasil. Valeu a pena? Sim, sim, sim!!! Cada centavo valeu a pena!

Depois de quase um mês no Brasil voltamos para a nossa vidinha a quatro aqui nos EUA. Chegamos junto com o Outono, época de mudança de estação, o frio esta chegando, os dias estão mais curtos. É um momento de curtir o nosso ninho, a nossa casa e uns aos outros.

Vocês leitores do blog, continuem por aqui! O blog não esta abandonado! (Acho que já escrevi isto antes, rs). Continuem enviando dúvidas e perguntas, vejo todas! As vezes demoro um pouco para responder mas um dia a sua resposta chega tá!

Um grande abraço

Juliana

 

DETROIT

 

Reinassence Center – Detroit (foto: @morarnoseua)

Depois de quase 4 anos morando aqui em Michigan e escrevendo o blog, me dei conta que escrevi muito pouco sobre a cidade de Detroit. Como neste verão recebemos bastante visitas do Brasil, acabamos indo mais vezes do que de costume para Detroit o que foi muito bom para rever a cidade e notar as boas mudanças que estão ocorrendo por lá.

Muitas pessoas torcem o nariz quando falamos de Detroit. Ainda se tem muito forte aquela imagem dos filmes da década de 80 de uma cidade caindo aos pedaços, feia e violenta. É claro que as sucessivas crises econômicas, que vem desde a década de 50 e que afetaram fortemente a indústria automobilística, castigaram muito a cidade. Detroit passou de uma cidade de quase 2 milhões de habitantes para pouco mais de 700 mil habitantes. Imaginem qualquer grande cidade como Chicago ou New York sem mais da metade da sua população. Ainda tem muitos bairros completamente abandonados, com moradores de rua (homeless) e áreas mal cuidadas, mas esse cenário aos poucos esta mudando.  A cidade tem recebido muitos investimentos privados e desde de que me mudei para Michigan, há quatro anos, eu vejo  downtown Detroit, que é o centro da cidade,  melhorar a cada ano.

dsc00224.jpg

Jefferson Avenue – Detroit (foto: @morarnoseua)

O centro de Detroit, apesar de ser bem compacto, nos dá as vezes a sensação de uma cidade meio vazia, principalmente durante os meses de inverno. Porém durante os passeios que fiz pela cidade neste verão, tive a sensação de uma cidade mais viva com jovens e famílias caminhando pela recém remodelada Woodwoard  Avenue e pelo calçadão ao lado do Detroit river. Lojas e restaurantes novos abriram suas portas, os streets cars (Q-line) voltaram novinhos e até bicicletas disponíveis para locação (como vi em cidades como Montreal no Canadá e em Chicago) tem agora em Detroit.

IMG_3937

Downtown Detroit (foto: @morarnoseua)

Os novos streetcars de Detroit (Q-Line) (foto: @moraranoseua)

A região do Riverfront ou river walk está sendo toda revitalizada. O trecho que fica em frente a famosa torre da GM (Renaissance Center) já está todo pronto. Lá, além de poder almoçar ou jantar em um dos restaurantes que ficam dentro do complexo, você pode fazer caminhada, alugar bicicleta para rodar por downtown,  ter um jantar diferente no Detroit Princess Riverboat ou simplesmente apreciar a vista do Detroit river. Para quem tem crianças, as novas “fontes” com jatos de água que saem do chão, o carrossel e o novo playground fazem a alegria da criançada. (Dica: levem roupinhas extras pois não vi nenhuma criança resistir aos jatos de água, os meu saíram de lá ensopados)

IMG_3328

A nova River walk com os seus jatos de água que fazem a alegria da criançada nos meses de verão! (foto: @morarnoseua)

Recomendo deixarem o carro estacionado no public parking coberto (que é pago) que fica em frente a entrada do hotel do complexo da GM (414 Renaissance Dr W). Paguei 15 dólares por 4 horas de estacionamento. Você retira o ticket na máquina na hora em que entra com o carro, estaciona você mesmo em alguma vaga disponível e na hora de sair coloca novamente o ticket na máquina que vai calcular o valor que pode ser pago com dinheiro ou cartão de crédito na própria máquina. Da região do complexo da GM você pode circular por downtown a pé mesmo, de bicicleta, usar os novos streetscars ou ainda o trenzinho suspenso chamado People Mover que faz um “circulo” passando pelos principais pontos de interesse do centro de Detroit.

 

map

Estações do trem suspenso do People Mover por downtown Detroit

Saindo do complexo da GM, se você caminhar pelo River Walk para o lado esquerdo você vai encontrar a fonte que a criançada adora que eu falei acima, o terminal de locar bike e um pouquinho mais para frente, o carrossel com o novo playground ao lado e o Outdoor Adventure Center, espaco inaugurado em 2015 e mantido pelo DNR com atividades educativas para as crianças e que explicam os recursos naturais de Michigan como seus lagos, rios, florestas e dunas (entrada de $5 para adultos e $3 para crianças). Este trecho da Atwater St onde está localizado o Outdoor Adventure Center acabou de ser revitalizado e tem vários apartamentos novinhos de frente para o Detroit river porém, como era uma região repleta de galpões que estavam abandonados (o próprio Outdoor Adventure Center foi construído em um destes galpões), você ainda verá ao fundo alguns desses galpões caindo aos pedaços por lá.

Outdoor Adventure Center

Caminhando para o lado direito (sentido Sul) você vai ver ao longe a Ambassador Bridge, ponte que liga Detroit a cidade de Windsor no Canadá.  Continuando você vai ver o Princess Riverboat e se seguir até o final a river walk termina bem em frente ao COBO Hall, centro de convenção e exposição onde é realizado o famoso salão do automóvel de Detroit. Ali também ainda está o Joe Louis Arena que até o meio deste ano era a casa do time de Hockey de Michigan, os Red Wings. O estádio será demolido e no lugar será construído um novo centro comercial e residencial além de prédios de estacionamento para dar suporte ao COBO.

IMG_9961

Região do river walk em frente ao Joe Luis Arena (foto: @morarnoseua)

Bem em frente ao Princess Riverboat, subindo a escada em direção a downtown vai  ter  uma praça chamada Hart Plaza. Não tem nada de interessante nela, a  não ser um escultura de aço enorme que era para ser uma fonte, mas que parece que não deu muito certo. Durante os meses de verão  costuma ter “feirinha” ou eventos especiais aos finais de semana. É comum você cruzar com algum homeless nesta praça. Não precisa ficar com medo ou apreensivo, eles não vão te assaltar, é o mesmo tipo de homeless com quem você cruza pelas ruas de New York ou qualquer outra grande cidade.

IMG_3932

Hart Plaza – Downtown Detroit (foto: @morarnoseua)

Passe pela a praça, cruze a Jefferson Avenue e você vai sair direto no começo da Woodward Ave. Agora sim você vai encontrar uma nova Detroit! Este trecho da Woodward avenue que vai até a região do Fox Theater e do Commerica Park (estádio dos Tigers) foi toda revitalizada e é  ali que você vai encontrar os principais ícones de Detroit e os novos streetcars. Poucas pessoas sabem mas esta avenida foi a primeira rua pavimentada dos Estados Unidos e o nome oficial dela é M-1(Michigan Highway 1) e ela divide a cidade de Detroit em leste e oeste indo até a  cidade de Pontiac.

A “prainha” do Campus Matius Park no coração de downtown (foto: @morarnoseua)

Caminhando pela Woodward  a gente chega no Campus Matius Park. É nesta praça que na época de Natal eles montam uma árvore de natal enorme com um ring de patinação no gelo bem em frente. Estivemos lá no nosso primeiro inverno aqui em Michigan em 2013.  Este ano no verão foi montada uma “prainha” com várias cadeiras sobre um chão de areia para as crianças brincarem (tinha baldinhos e pazinhas de praia a disposição da criançada) e também para o pessoal que trabalha nos escritórios ao redor relaxarem durante a hora de almoço (se bem que americano quase nunca faz hora de almoço). Neste trecho da avenida você vai encontrar várias opções de restaurantes como o Hard Rock Café Detroit, Shake-Shack, a churrascaria Texas de Brazil, Starbucks, restaurante mexicano, tailandês, bakerys, pubs entre outros.

IMG_4137

Apresentando Detroit para a familia (foto: @morarnoseua)

Ainda neste trecho da Woodward você vai encontrar a estatua “The Spirit of Detroit” e o monumento ao Joe Louis que sempre aparecem em fotos de Detroit. Para quem gosta de arquitetura tem vários edifícios históricos entre eles o Guardian Building que foi todo restaurado e hoje é sede do Bank of América. O saguão principal dele é aberto ao público e a entrada fica pela Congress Street. Assim que você cruzar o Campus Martius a Woodward Ave continua para a esquerda em direção ao Fox Theater, a Detroit Opera House, ao estádio do Tigers (Commerica), o Ford Field (estádio dos Lions – futebol americao) e ao futuro Little Cesar Arena que será o novo estádio dos Pistons (time de basquete) e dos Red Wings com inauguração prevista para o final do ano e com show da Lady Gaga.

Do campus Martius para a direita você vai cair na região da Greektown, lugar repleto de restaurantes e onde fica o Greektown cassino. Todos esses lugares tem estação do People Mover, que você pode utilizar caso não queira caminhar muito.

IMG_3972

Interior do Guardian Building – downtown Detroit (foto: @morarnoseua)

Wayne County Building – prédio histórico lindo, porém encontra-se completamente vazio (foto: @morarnsoeua)

Na região mais oeste na Woodward, região conhecida como Midtown, você irá encontrar o famoso Detroit Institute of Arts , um prédio muito bonito com um acervo riquíssimo de obras de arte. Ali do ladinho temos o Michigan Science Center para passar o dia com as crianças. Tem muitas atividades educativas e um cinema IMAX. Para quem gosta de visitar prédios públicos bem frente fica a Biblioteca Publica de Detroit. Nesta região recomendo deixar o carro estacionado no parking de um dos museus. Por ali também fica o Motor City Cassino Hotel que a noite chama atenção por suas luzes coloridas. É um cassino com hotel de luxo junto. O cassino em si é bacana mas a região ao redor ainda é feia e está com várias obras ao redor.

img_4003.jpg

Para quem gosta de restaurantes diferentes e com história, temos o The Whitney  também neste trecho da Woodward (4421 Woodward Avenue Detroit) . É uma mansão de 1894 que pertenceu ao homem mais rico de Detroit, o barão David Whitney Jr. Em 1986 ela virou um restaurante com uma arquitetura linda, uma escadaria principal que parece coisa de filme, muito mobiliário antigo e belos vitrais e é claro, muitas histórias de que a mansão é mal assombrada, o que dá todo um charme e mistério para o The Whitney. É um restaurante com um preço diferenciado (entende-se mais caro que o padrão) mas de segunda a sexta das 4-6pm e aos domingos eles tem o chamado Early Evening menu no valor de $40 dólares por pessoa onde esta incluso uma entrada, o prato principal e uma sobremesa (normalmente este é o valor de apenas um prato após as 6pm).

Para quem curte música, o museu da Motown  fica a pouco minutos de carro dessa região. O museu é bem pequeno e os tours (que são guiados) devem ser agendados com antecedência. A região onde fica a Motown é meio feia mas já tem um projeto de um novo museu  da Motown na região “nova” de Detroit.

Outra área de Detroit legal para passear em um sábado de manhã durante os meses mais quentes é no Eastern Market Detroit. É um mercadão com várias bancas de frutas, legumes, pães, flores. Nos galpões ao redor tem peixaria, mercearias, lojas especificas de café, queijos, geleias, mobiliário antigo, artesanatos e artistas de rua. Nesta última visita descobrimos um lugar que vende vários tipos de sucos naturais o que é difícil achar por aqui. Na região também tem vários grafites e a arquitetura do lugar rendem fotos muito bacanas. Na área ao redor do Eastern Market tem vários estacionamentos.

Eastern Market (foto: @morarnoseua)

IMG_3305

Região do Eastern Market Detroit (foto: @morarnoseua)

Outro lugar gostoso para passear nos meses quentes é na Belle Isle Park. É uma ilha que fica bem no meio do Detroit River. Quando estive lá pela primeira vez no final do inverno de 2014 eu a achei bem sem graça e mal cuidada. Na época, a estação do ano não ajudou muito nessa primeira impressão da ilha e ela ainda estava sob a administração da cidade que não tinha dinheiro para cuidar dela. Quatro anos se passaram e hoje a ilha esta sob administração do DNR, isto é, ela virou um parque do Estado. Muitas melhorias já foram feitas desde então,  como manutenção dos jardins e instalação de um novo playground ao lado do Nature Center (aprovado pelas crianças daqui de casa). Na ilha também tem um aquário, um conservatório e um museu mas ainda não entrei nesses lugares para dar a minha opinião.

Para entrar na ilha os carros tem que tem que ter o passe anual no valor de $11 (Recreation Passaport) que permite a entrada em qualquer um dos States Parks de Michigan.  A vista do skyline de Detroit de lá é bem bacana e vale a pena levar a bicicleta para pedalar pela ilha. Durante os meses de  verão é comum encontrar famílias que moram na região de Detroit fazendo churrascos e pic-nics nas áreas verdes. Também é possível locar caiaque e navegar pelo rio que corta a pequena ilha. Nesta ilha é onde ocorre anualmente o Detroit Grand Prix (Indycars series) e uma série de outros eventos ao ar livre.

Belle Isle (foto: google)

 

Agora a pergunta que não quer calar: É seguro passear em Detroit?

Na minha opinião, o perímetro de 2 quarteirões ao redor do Campus Martius Park é uma área super tranquila e segura para se passear por Detroit, assim como a região do Eastern Market e dos museus. Temos que ter em mente que a cidade está se reerguendo então, ainda tem muitas obras na região, como edifícios sendo restaurados, outros sendo demolidos, ruas fechadas em decorrência de novas construções e tapumes de obras em alguns lugares e ainda tem sim, prédios completamente vazios no centro. Quando viajamos, queremos ver lugares bonitos e charmosos e passar longe de lugares feios, porém Detroit tem estes dois lados.

A região de downtown é bem policiada e foram instaladas várias câmeras de segurança. Durante o nosso passeio pelo Riverfront cruzei com vários policiais fazendo a ronda de bicicleta e sempre tem viaturas passando pelas principais avenidas.  Eu passeio em Detroit com as nossas visitas e  com meus filhos pequenos sem neuras. Vou com a minha bolsa a tiracolo e quase sempre estou com o celular na mão tirando fotos. Não sinto medo e nem fico apreensiva em andar a pé pela cidade (diferente de quando estou em São Paulo, sorry São Paulo), mas é claro que como qualquer cidade grande você tem que estar atenta ao que acontece a sua volta.

Ninguém vai chegar em você e te assaltar enquanto você caminha pela cidade ou se estiver parado com o carro no farol (isso não existe aqui), o que a gente escuta as vezes, são casos de furto o que também ocorre em Paris, New York ou em Roma. O problema é que Detroit tem uma má fama que vem de décadas então, qualquer coisa que acontece aqui vira motivo para taxa-la como uma cidade violenta. Detroit requer mais de uma visita para que você consiga enchegar as suas peculiaridades, os seus detalhes e a sua história.

Mas daí você me pergunta: “Juliana, mas eu vejo no noticiário casos de assassinatos e de gangues em Detroit”. Sim, as vezes acontecem crimes feios em determinados bairros da cidade. Normalmente eles estão relacionados ao tráfico de drogas, richas entre gangues e por incrível que pareça, brigas de família. Por isso é sempre bom saber quais lugares são seguros de se visitar. Eu não seria louca de entrar em uma bairro conhecido por ser perigoso, nem em Detroit, nem em Los Angeles, nem em São Paulo e nem em nenhum outro lugar do mundo, é necessário ter bom senso.

Visitar Detroit requer mente aberta. Visitar Detroit é estar preparado para ver o novo de um lado da rua e o decadente do outro. É apreciar arranha-céus espelhados mas ter que passar por bairros mal cuidados para se chegar até eles. É dirigir por highways do primeiro mundo e ver casas abandonadas e queimadas as suas margens. Visitar Detroit é ver com os seus olhos a história de uma cidade que teve um passado rico e glorioso, seguido pela sua total decadência  e saber contemplar hoje, o seu renascimento.

Se você mora aqui perto de Detroit ou já visitou a cidade deixe aqui nos comentários a sua experiência na cidade e dicas de passeios por lá se você tiver!

Se você quiser ter mais opiniões sobre Detroit, tem um post bem bacana no Blog Colagem da Luciana Misura  (post escrito em 2013, um pouco antes de eu me mudar para Michigan) e no blog da  Gaby no Canada  que esteve recentemente na cidade.

No site VisitDetroit.com também tem muita informação sobre a cidade, sempre atualizado.

Está vindo com crianças? Clique no link abaixo para ver as opções de passeios com a criançada na região:

Detroit e arredores com crianças

Quer saber mais sobre a historia de Detroit? Entre no site do Detroit Historical Society

Grande Abraço!

Juliana Fontes

“Todos os textos e fotos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos e fotos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog mas não copie e cole”