De Las Vegas ao Grand Canyon de Motorhome

Aproveitamos a semana do Spring Break aqui nos EUA para fazer uma viajem que sempre tivemos vontade: uma road trip de motorhome.

Sei que estamos no meio de uma pandemia e dos riscos em se fazer uma viagem aérea no momento, mas tomamos todos os cuidados possíveis durante a viagem como o uso de máscara, evitamos os restaurantes e mantivemos o distanciamento social, ficando apenas entre a nossa família.

Quem nos acompanha por aqui sabe que já acampamos há bastante tempo de barraca em Michigan e algumas vezes de trailer mas esta viajem teve um gostinho especial pois fizemos o trecho de Las Vegas ao Grand Canyon National Park em um motorhome pela rota 66.

Fechamos a viagem com aproximadamente 2 meses de antecedência. Primeiro reservamos os voos para Las Vegas e os hotéis através do site Expedia onde encontramos preços bem convidativos. Em seguida fizemos a reserva do site no campground que fica dentro do Grand Canyon National Park, o Mather Campground que fica no South rim.

Nossa casa sobre rodas!

Vale lembrar que conseguir vaga neste campground é super concorrido e normalmente as reservas tem que ser feitas com no mínimo de 6 meses de antecedência, porém demos sorte e conseguimos vaga em cima da hora (provavelmente por ter menos pessoas viajando por causa da pandemia)

Site no camping reservado, fomos à procura de um motorhome no site do Rvshare.com, onde depois de muita busca encontramos um motorhome classe C para 5 pessoas ano 2021, novinho e com kilometragem ilimitada! Tudo conspirando a nosso favor para a viajem!!

Voamos de Michigan para Las Vegas no estado de Nevada onde passamos a nossa primeira noite. No dia seguinte pegamos um táxi do hotel até o local combinado com o proprietário para pegar o motorhome com quem conseguimos negociar early pickup e late check out para poder aproveitar bem o dia com o motohome.

O valor da diária de um RV (Recreational Vehicles) varia de acordo com o tipo, o tamanho, ano de fabricação, se é baixa ou alta temporada e quantidade de dias de locação. Pagamos $157 dólares por noite pelo motorhome.

Neste valor tem que adicionar a taxa de limpeza e dumping ($150), taxa de quilometragem onde pagamos $60 por milhagem ilimitada o que foi um achado pois na grande maioria dos RVs está incluso no valor do aluguel apenas 100 milhas rodadas e a partir daí tem uma cobrança adicional por milha Extra que você anda (de $0.5 a $1.00/milha em média ). No valor do aluguel está incluso 1 hora do uso do gerador para recarregar as baterias do RV, se passar deste tempo tem uma cobrança média de $5 por hora extra de uso.

Paga-se também taxa de serviço ($47), seguro ($95) e imposto ($47). Foi necessário deixar um depósito de segurança de $1000, que foi devolvido quando retornamos o veículo.

No final, duas noites no Motorhome saiu por mais de $700 dólares. A brincadeira não é barata, mas a experiência vale a pena!

Depois de uma aula com o proprietário sobre o funcionamento do veículo, saímos com a nossa casinha com destino a nossa primeira parada: O Walmart. Paramos no supermercado para comprar alimentos para os próximos 3 dias em que ficaríamos na estrada.

O RV era bem equipado com itens de cozinha, limpeza, roupas de cama, travesseiros, cobertores e toalhas (todos novos e higienizados). Dentro do National Park, próximo da área do camping também tem uma General Store (mercadinho) caso houver necessidade.

Retiramos o motohome já com o reservatório de água cheio, o que deixou o veículo um pouco mais pesado para dirigir (imaginem litros de água indo de um lado para o outro na estrada) e pegamos muito vento lateral na estrada, então é bom estar atento ao volante.

Hoover Dam, parada obrigatória à caminho do Grand Canyon

A nossa primeira parada foi na Hoover Dam, que fica há aproximadamente 1 hora de Las Vegas. Fizemos o passeio pela área externa da barragem. Depois seguimos até a cidade de Kingman onde ao invés de seguir pela Intersate 40, pegamos os desvio para a famosa rota 66.

Entrando no trecho da Rota 66 entre Kingman e Williams no Arizona

Fizemos o trecho da rota 66 que passa por Kingman, Peach Springs, Seligman e Williams. São cidades bem pequenas de beira da estrada (tipo piscou passou) onde tudo remete a famosa estrada inaugurada em 1929, que hoje é considerada uma estrada história aqui nos Estados Unidos, que ligava a cidade de Chicago no estado de Illinois à Santa Monica na California. Lanchonetes que remetem à década de 50, postos de gasolina, motéis antigos e gift stores fazem parte deste trajeto.

Route 66

Este trecho da rota 66 entre Kingman e o Grand Canyon South Rim leva aproximadamente 3 horas e meia sem contar as paradas para ser feita, então pode dobrar este tempo se for considerar as paradas para comer, tirar fotos e entrar nas lojas. A estrada estava em excelentes condições e com pouquíssimo movimento de carros (diferente da interstate que é sempre bem movimentada e tem muitos caminhões)

Passamos por este trecho da estrada já no início da tarde, então algumas lojinhas já estavam fechando. Quando passamos por Williams no início da noite, a cidade estava toda iluminada e tinha bastante movimento nas ruas mas não paramos, passamos direto pois de lá até a entrada do Grand Canyon dá uma hora de estrada, agora pela estrada 64.

Se pudesse refazer o roteiro, ao invés de pegar o RV e já partir em direção do Grand Canyon, teria adicionado um dia a mais na viagem e passado a primeira noite com o RV em Kingman, iniciando o trecho da rota 66 no dia seguinte pela manhã e assim feito mais paradas sem pressa pelo caminho chegando no Grand Canyon antes de anoitecer.

Rota 66 em Seligman, Arizona

Chegamos no Grand Canyon South Rim por volta da 8:30 da noite. Como já havia comprado o passe para entrada no parque online, passamos direto pela portaria ($35 por carro válido por 7 dias). Durante o dia a fila para entrar no parque é enorme (vimos quando deixamos o parque), pois muitas pessoas e grupos de passeios vão para lá passar apenas o dia.

A vantagem de estar de RV é que e só estacionar no site e está tudo pronto, diferente de acampar de trailer onde tem que fazer todo o setup (nivelamento) ou de barraca onde temos que montar tudo do zero e encher os colchões por exemplo.

Quando o RV esta estacionado se abre este slide lateral para aumentar a area de dentro do motorhome.

Porém, qual seria a graça de uma viagem sem alguns imprevistos ou perrengue?

Quando reservei o camping no Grand Canyon, eu sabia que os sites no Mather campground eram considerados rústicos, isto é, não tinham ponto de energia elétrica, de água e esgoto no site. Mas como o RV tinha gerador, estávamos tranquilos com relação ao uso do chuveiro, aquecedor e fogão os quais poderiam ser usados no modo elétrico ou á gás. Porém não me atentei as restrições com relação ao horário para poder usar o gerador do RV no camping.

Os geradores só podiam ser ligados entre às 7 e 9 horas da manhã (pessoal de camping acorda cedo para aproveitar o dia e ir para as trilhas) e entre as 6 e 8 horas da noite (horário de banho e jantar).

Chegamos no camping por volta das nove da noite e já fomos ligando o gerador para poder usar água quente para tomar banho, aquecer o RV (pois estava frio) e preparar o jantar. Pouco tempo depois, o guarda do parque bateu na nossa porta pedindo para desligarmos o gerador (imaginem o nosso susto com alguém batendo na nossa porta a noite no meio do mato!)

Bom, tínhamos a opção de usar o sistema de gás para tomar banho, dar uma aquecida no motorhome e fazer o jantar, o problema é que a quantidade de gás do motorhome é limitada.

Ficar com o gerador desligado não seria um problema se estivéssemos acampando em um lugar quente ou durante o verão. O problema foi que nesta época do ano (início de Abril) ainda faz muito frio no Grand Canyon durante a noite. Na semana anterior a nossa chegada chegou a nevar por lá e nas duas noites em que ficamos no camping chegou a fazer menos 2 graus de madrugada! Resumindo, com o aquecimento desligado durante a noite passamos frio mesmo com os cobetores que tínhamos no RV.

Qual teria sido a solução? Pijamas compridos de inverno para todos e sacos de dormir próprios para o inverno, que não tínhamos conosco claro.

S’mores depois do jantar

Na segunda noite, juntamos todos os cobertores e dormimos todos juntinhos na cama de casal para assim passar menos frio, e olha que somos acostumados com o frio pois moramos em Michigan, onde o inverno é para os fortes!

E só por curiosidade, tinha bastante gente acampando de barraca, mesmo com o frio, é tudo uma questão de estar bem preparado com sacos de dormir para baixas temperaturas, lanternas e gás extra para fogareiro, que é possível acampar até de barraca.

Nosso site site no Mather campground (número 92, enorme, próximo do banheiro e com ponto de água potável do lado do site)

Falando um pouquinho sobre o Mather Campground, mesmo ele sendo considerado rústico tem pontos de água potável disponíveis, banheiro com chuveiro quente e pia de uso comum para lavar louça para quem está de barraca. Os sites são bem grandes o que dá bastante privacidade e tem mesa de piquenique e área para fogueira em cada site.

O que deixou um pouco a desejar foi a área da Dump estation, que é onde se abastece os RVs com água e onde se limpa o esgoto antes de ir embora, que era bem pequena para um camping grande como este. Com certeza a fila de RVS para usar a dump station durante a temporada deve ficar bem grande.

O horário de check-in no campground é às 12PM e check-out as 11AM. Os sites são para motorhomes de até 30 feet e trailers até 27 feet de comprimento. O valor por noite foi de $18 dólares e a reserva foi feita pelo site oficial dos Parques nacionais, o Recreation.com.

Sobre o passeio no Grand Canyon, qualquer foto ou video que você ver aqui ou na internet não fará juz a grandiozidade e a beleza deste lugar!

Já havíamos visitado o Grand Canyon West na nossa última viagem para Las Vegas em fevereiro de 2020 (um pouco antes da pandemia ), que também é super bonito e uma ótima oportunidade para quem está em Las Vegas e quer conhecer o Grand Canyon mas não tem tempo de ir até o South Rim. Mas tenho que admitir que o trecho do Grand Canyon que fica dentro do parque Nacional é simplesmente espetacular!!

Fizemos o “The Rim Trail”, que é a trilha mais fácil e que dá para fazer com crianças tranquilamente, inclusive com o carrinho. Deixamos o nosso RV no estacionamento do visitor center e fizemos o trecho da trilha que vai do Mather point até a Vila margeando toda a borda do canyon. Fizemos este trecho sem pressa, parando praticamente em todos os mirantes e com pausas para lanchinho que tínhamos na mochila. No caminho tinham placas explicativas sobre a formação e a história do Grand Canyon e um museu geológico. Levamos aproximadamente 3 horas para fazer este trajeto.

Em pontilhado está o trecho do Rim trail que fizemos, com as paradas nos mirantes e sem pressa. Levamos por volta de 3 horas para fazer com as crianças

A idéia inicial era voltar de ônibus da Vila para o vistor center, onde estava estacionado o nosso motorhome, porém devido às restrições do COVID os ônibus que circulam pelo parque não estavam funcionando neste trecho (apenas a linha vermelha que vai para o Hopi Point e Hermit Rest estava em funcionamento no dia em que estávamos lá), então tivemos que refazer todo o caminho de volta a pé mesmo. Dessa vez, sem as paradas nos mirantes, levamos aproximadamente 1 hora para fazer o percurso de volta. As crianças cansaram e nós também e este foi o segundo perrengue da viagem.

The RIM Trail – tranquilo para fazer com crianças

Por causa disso não fizemos o trecho que vai da Vila para o Hermit Rest Point no período da tarde como havíamos planejado e decidimos passar o final da tarde no nosso campsite mesmo, descansando e preparando a fogueira e o jantar.

Quando viajamos com crianças nem sempre o roteiro que temos na cabeça sai como programado e temos que ajustar as nossas expectativas para que todos possam curtir a viagem.

Por causa disso eu acrescentaria também uma noite a mais no Grand Canyon para poder fazer o resto da trilha que faltou. E para quem quer fazer tudo o que tem lá com calma e ainda curtir os momentos de descanso no campground eu recomendo pelo menos 3 dias inteiros no parque.

Outra trilha bem famosa é a Bright Angel Trail, que sai da Vila e que tem vários níveis de dificuldade, mas o início dela é considerado fácil e dá para fazer com crianças maiores que gostam de andar. Não programamos em fazer esta trilha mas vi várias crianças (de 8 anos para cima aproximadamente) descendo com os pais. Cabe lembrar que não é possível descer até a base do Canyon lá no rio Colorado, esta é uma trilha de alto grau de dificuldade, onde é necessário passar a noite na base do Canyon e tem que ter uma autorização especial para fazê-la.

A Vila do Grand Canyon é ponto de chegada principal do parque e onde estão localizados os hotéis, restaurantes e lojas de souvenirs do Grand Canyon. Estava bem movimentada quando chegamos lá, porém com limitação de pessoas dentro das lojas e o uso de máscara era obrigatório. É também onde fica a estação de trem que vem de Williams.

Para quem não conseguir camping ou hospedagem dentro do parque tem muitas opções de hotéis, inclusive campgrounds em Tusayan, cidade que fica pertinho da entrada do National park e onde inclusive tem outro visitor center do parque e o cinema Imax.

Outro lugar de hospedagem é em Williams onde inclusive é o local de saída do passeio de trem que vai direto para o Grand Canyon. Deve ser um passeio muito legal para se fazer, principalmente com as crianças, mas um bate e volta deve ser muito corrido, pois o trem tem hora para deixar o parque. O ideal seria ir de Williams até o Grand Canyon de trem, passar a noite em alguns dos hotéis que tem dentro do parque (na Vila) e voltar para Williams no trem do dia seguinte.

Route 66 em Williams, Arizona

Depois de passarmos 2 noites dentro do parque, chegou a hora de voltar. Tínhamos que devolver o RV no final da tarde, então saímos logo depois do café da manhã. Desta vez fizemos uma parada em Williams para conhecer a cidade que é um clássico da rota 66 e uma das que inspiraram o filme Carros da Disney (assim como Seligman).

De lá voltamos para Las Vegas direto pela Interstate 40 (se bem que a vontade era passar novamente pela rota 66). Já havíamos reservado um carro pelo site Turo com pick up próximo ao local de retorno do RV. Assim dissemos tchau para a nossa casinha sobre rodas. Com certeza foi um passeio inesquecível e que valeu muito a pena, mesmo com toda a correria.

Sobre a melhor maneira de se chegar ao Grand Canyon, optamos por Las Vegas pois as passagens aéreas estavam com preços melhores, mas uma outra opção de roteiro é voar para Phoenix no Arizona, locar um RV lá e fazer a rota por Sedona, o que deve ser também um passeio incrível.

Espero que tenham gostado deste post! Fiquem a vontade para deixar comentários e compartilhar com os amigos!

Para quem quer saber mais um pouco sobre acampar aqui nos Estados Unidos, aqui no blog você irá encontrar mais posts sobre o assunto, é só clicar nos links abaixo.

COMO E ACAMPAR NOS EUA

ACAMPANDO DE TRAILER EM MICHIGAN

ACAMPAMENTOS DE VERAO EM MICHIGAN

Abraços

Juliana Fontes

Todos os textos desta página são de direitos autorais da autora Juliana Fontes.
A cópia de tais textos é proibida por lei. Fique à vontade para compartilhar e divulgar o blog mas não copie e cole.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: